terça-feira, 27 de Outubro de 2015 10:17h Atualizado em 27 de Outubro de 2015 às 10:20h. Jotha Lee

Domingos Sávio reafirma necessidade de investigar filho de Lula

Queixa-crime ajuizada por Lulinha contra deputado divinopolitano já está pronta para receber parecer final

Preso desde o ano passado em Curitiba, o lobista Fernando Soares, o Baiano, acusado de ser um dos operados dos desvios na Petrobras, afirmou no início do mês ao Ministério Público Federal (MPF), ter feito pagamentos ao empresário Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula. Em acordo de delação premiada, Baiano revelou ter entregado cerca de R$ 2 milhões ao filho do ex-presidente.
O deputado federal Domingos Sávio, presidente do PSDB mineiro, que responde a uma queixa-crie no Supremo Tribunal Federal (STF), ajuizada por Lulinha, em pronunciamento na Câmara dos Deputados, reafirmou sua posição da necessidade de uma profunda investigação contra o filho do ex-presidente. Em fevereiro desse ano, em entrevista concedida à uma rádio de Divinópolis, Domingos Sávio afirmou que o ex-presidente Lula deveria ser investigado, assim como seu filho, Fábio Luís, que segundo ele, “enriqueceu-se da noite para o dia”.
No pronunciamento, Sávio lembrou que essa declaração lhe rendeu um processo no STF. “Estou sendo processado no Supremo, porque o Lulinha disse que eu estaria injuriando, caluniando, ao dizer que ele deveria explicar ao povo brasileiro as fartas notícias de que ele é um dos milionários que têm nesse país sem muita clareza de onde veio toda essa fortuna e que ele deveria ser investigado como qualquer brasileiro”, lembrou.
Ao comentar as declarações de Fernando Baiano, o deputado divinopolitano assegurou que foi uma informação absolutamente segura. “Essa figura esdrúxula [Baiano], que está presa, declarou de forma absolutamente segura que o senhor Lulinha é um dos envolvidos nesse esquema de corrupção, levando milhões de reais para fazer tráfico de influência”, analisou.

 

INTIMIDAÇÃO
Em entrevista à Gazeta do Oeste, Domingos Sávio afirmou que a queixa-crime no Supremo era uma intimidação. “Não me intimidei, não vou me intimidar, quem comete os crimes que o país está aí perplexo, tem que pagar por isso. Seja ele ex-presidente da República, seja filho de ex-presidente da República, seja deputado, seja senador, eu entendo que a investigação deve ser para todos”, reafirmou.
Num eloquente discurso, Domingos Sávio disse que mantém sua posição. “Que o senhor Lula, que o senhor Lulinha, sejam investigados e paguem pelos crimes que porventura tenham cometido. Não vou me intimidar e espero que a justiça seja feita. A verdade está vindo à tona e minha consciência está tranquila”, finalizou.
Em e-mail encaminhado à Gazeta do Oeste, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Fábio Luis, negou que ele tenha sido um beneficiados pelo esquema da Petrobras e informou que está processando o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, responsável pela publicação da notícia. “Na qualidade de advogados de Fábio Luís Lula da Silva protocolamos na data de hoje (23/10/2015) perante a Justiça do Rio de Janeiro ação cível de reparação de danos morais e de imagem decorrentes de notícias falsas publicadas nas edições de 11, 12 e 16 de outubro de 2015 no jornal O Globo — versões impressa e digital. O jornalista Lauro Jardim é o autor das notícias falsas e deve responder à ação, junto com a Infoglobo, empresa que edita o jornal. Fábio jamais recebeu, direta ou indiretamente, qualquer dinheiro ou favor do réu Fernando Soares, que tampouco fez referência a seu nome em delação no âmbito da Operação Lava Jato. Nosso cliente não é investigado na Operação, como atestou o Ministro Teori Zavascki em decisão proferida em 22/10/2015. A divulgação do inteiro teor do depoimento pela mídia comprovou que o jornalista mentiu, ao associar o nome de Fábio à delação, e persistiu no erro, mesmo tendo sido alertado para corrigi-lo”.
A queixa-crime ajuizada por Lulinha contra Domingos Sávio no STF já está pronta para ter o parecer da Ministra Rosa Weber, relatora no processo. Protocolada no dia 7 de julho, a queixa-crime pede que seja instaurada uma ação penal contra o deputado divinopolitano e já recebeu o parecer do Ministério Público Federal, cujo conteúdo não foi divulgado.

 

Créditos: Jotha Lee
Crédito: Ascom/STF

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.