quinta-feira, 12 de Dezembro de 2013 04:10h Carla Mariela

Edimilson Andrade

“Hoje, a minha preocupação também é quanto ao trânsito da cidade, na questão da defesa civil, na segurança das casas lotéricas porque atualmente está havendo muitos assaltos a esses estabelecimentos. Com o projeto olho vivo esta questão vai melhorar

1) Qual o balanço que você faz do seu mandato neste fim de ano de 2013?
Este primeiro ano foi um mandato muito importante para mim, elaborei seis projetos e também trabalhei com emendas parlamentares para o Conselho Tutelar possibilitando a entrega de um carro, cinco computadores, refrigerador e uma impressora, dando mais estrutura aoConselho Tutelar. Também consegui uma emenda no valor de R$30 mil para mobiliar toda a escola Cesec que é uma escola de 1º e 2º grau totalmente de graça que temos em Divinópolis. Depois consegui uma emenda de R$20 mil que está vindo para a escola Santo Tomaz de Aquino. Tenho um projeto para ser apresentado, mas estou esperando a adequação da Secretaria de Trânsito e Transporte (Settrans). Esta proposta é referente ao Pisca Alerta em todo o semáforo do município a partir das 23h evitando assaltos e acidentes. Outro projeto apresentado foi sobre os medicamentos que as pessoas têm em casa, mas que não fazem uso. Esta lei dispõe sobre a colocação de receptores nas farmácias, nos postos de saúde, para evitar que estes medicamentos sejam descartados na natureza. Apresentamos também o projeto sobre tapume nos bancos, porque as pessoas muitas vezes usam o celular porque está vendo outras pessoas sacarem o dinheiro e com o tapume não terá como ver esta ação. Estou com o projeto que aborda que o idoso não vai pagar em banheiros onde há concessão pública, um exemplo, o banheiro da rodoviária. Também foi aprovado um projeto de minha autoria no qual todos os médicos terão que notificar o Conselho Tutelar toda vez que atender um menor de idade que esteja embriagado, com isso será feito o monitoramento de festas que está permitindo o uso de qualquer substância e bebida alcoólica a estes cidadãos.

2) Qual a sua opinião em relação a projetos mais debatidos na casa, como por exemplo, o crédito suplementar no montante de aproximadamente de R$22 milhões de autoria do Poder Executivo e o que poderá ser protocolado sobre extinção dos cargos de auxiliar de serviço na prefeitura?
Todos os projetos que eu não tenho total segurança jurídica eu voto contra, todas as propostas que eu votei de empréstimos, de imóveis, este de R$22 milhões, os que não dão para fazer uma avaliação rapidamente porque teria que fazer uma auditoria, e saber realmente se o superávit deste montante é real ou não, em dúvida eu votei contra por não ter um prazo maior para estudar os projetos. Normalmente estas propostas são apresentadas em cima da hora, não tem como fazer o estudo rápido. No dia que eu tiver segurança jurídica de projetos deste porte eu serei favorável.
Sobre a extinção dos cargos de auxiliar de serviço na prefeitura, eu acompanho a prestação de contas da previdência dos servidores. Há muita gente dizendo que há um prejuízo futuro para o servidor se extinguir estes cargos. Há indivíduos que defendem pessoas que estão em desvio de função que não querem voltar a ser auxiliar. Deixamos isso a cargo do sindicato e das comissões para debater. Eu acho que seria melhor o sindicato que representa o trabalhador fazer uma assembleia com todos esses servidores que podem ser prejudicados e em cima desta a gente votar.

3) Sobre audiências públicas que ocorreram ao longo do ano, sobre assuntos importantes, como Copasa, terceirização do hospital público por meio de Organizações Sociais (OS), e sobre a MG 050 e Concessionária Nascentes. Qual a importância de se debater estes temas no legislativo?
A Copasa não dá muitas informações para a população. O que os representantes alegam é que estão dentro da lei, que houve um projeto aprovado na câmara e foi assinado um contrato com eles. O erro foi quando votou esse projeto. Deveria ter tido um debate no passado sobre a questão. Em relação ao restaurante popular eu acredito que futuramente vai fechar porque o número de pessoas que estão indo almoçar no local é pouco e dificilmente vai haver uma empresa para pegar este serviço. Eu sou contra porque o restaurante popular é multiuso, ele não traz prejuízo para a população, muitas pessoas ali alimentam e controlam o seu colesterol, diabetes, hipertensão.
Em relação à terceirização do hospital público por Organização Social, o Executivo está alegando que extrapola o teto de 52% de contratação de funcionários. Não há uma legalidade de fazer concurso público para contratação que não seja por OS. A terceirização é complicada porque quando se faz o pagamento direto ao funcionário já é pouco imagina fazer o pagamento para uma empresa para esta empresa pagar o funcionário. Eu sou contra esta questão da OS.
Sobre a audiência da maioridade penal, eu convidei a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para discutirmos o tema a nível deEstado. Muitas vezes os gestores querem criar cadeias porque cadeia sai mais barato, ao invés de criar quadras esportivas, oportunidades, escolas de tempo integral para os adolescentes. Outra audiência pública que solicitamos foi relacionada ao crack, hoje temos uma doença grave, este é um problema social. Muitas vezes as pessoas não entendem que o crack é uma doença. Para explicar esta situação uso muito a frase: Me ame quando eu menos merecer, pois essa é a hora que eu mais preciso.
Tivemos também a audiência sobre o bullying. Este encontro me ensinou muito a respeito do agressor e de quem sofre. Todas as partes precisam de tratamento. Muitas vezes quem realiza bullying o faz como uma defesa. Quem recebe o bullying às vezes tem depressão e isso faz com que a pessoa tenha baixa estima e sofra.
Quanto a Nascentes das Gerais e a MG 050, usamos uma rodovia com um preço de pedágio absurdo. A comunidade divinopolitana necessita de um braço, lâmpada nos bairros, e hoje o município banca a iluminação pública de todos os trevos de uma rodovia com pedágio. Eu acredito que deveria passar esta responsabilidade para a Nascentes das Gerais.

4) Sobre o plano diretor. Como está o andamento e estudos desta lei na casa legislativa?
Este plano é fundamental porque faz o planejamento futuro da nossa cidade. A Mata do Noé é uma discussão antiga, é uma preservação, é o nosso pulmão hoje e teria que estar presente no plano diretor. Estamos estudando e fazendo algumas emendas para votar consciente porque é de grande responsabilidade. A questão de zoneamento nós vereadores temos que rever.

5) Dentre as indicações que você apresentou na câmara municipal pontue algumas:
Já trabalhei como Conselheiro de Saúde realizando um trabalho voluntário há 20 anos, principalmente, na questão da farmácia pública do bairro Niterói e São José. As pessoas ficam em filas longas, esperando para serem atendidas. Consegui a presença de técnicos de enfermagem nestes locais diminuindo o sofrimento das pessoas. Dia 21 de dezembro a licitação para a reforma da farmácia do posto de saúde do Niterói será aberta para que haja mais conforto aos pacientes.
Fiz umaindicação relacionada à instalação do semáforo no cruzamento da avenida 21 de abril com rua Pernambuco que foi atendida pelo Executivo. Estou aguardando a questão das pinturas estatigráficas na rua Rubi, rua Ouro Fino e Magalhães Pinto; dando mais segurança para os moradores.
Também pretendo fazer a indicação para a colocação do semáforo na rua do Cobre com Magalhães Pinto onde tem um movimento muito grande. Outra luta para o governo federal é a questão dos Mais médicos. Estou entregando uma moção de apoio para a questão dos Mais Médicos. A ideia é trazer 20 médicos que a secretaria municipal de Saúde requisitou.
Junto com os deputados estou tentando viabilizar a criação de uma delegacia em proteção aos animais. Divinópolis é uma cidade polo e hoje vemos cachorros pelas ruas sofrendo. Foram 202 indicações ao todo na área de segurança, saúde, iluminação pública. Estou trabalhando 24h. Além de indicações de tapa buracos.

6) O que a população pode esperar de você em 2014?
Uma das minhas preocupações maiores é na prevenção da saúde. Tenho alguns projetos que estão em andamento em relação à área. Hoje, a minha preocupação também é quanto ao trânsito da cidade, na questão da defesa civil, na segurança das casas lotéricas porque atualmente está havendo muitos assaltos a esses estabelecimentos. Com o projeto olho vivo acho que esta questão vai melhorar um pouco. O meu sonho também é que tenhamos um CAPS AD e a criação de um centro de convivência na cidade.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.