segunda-feira, 29 de Outubro de 2012 04:54h Gazeta do Oeste

Eleito em Montes Claros, Ruy Muniz prega união para governar

Montar um governo transparente e com perfil técnico, conseguir a união das forças políticas locais e regionais para buscar recursos dos governos estadual e federal e implantar um modelo de licitação mais amplo, para reduzir os custos das obras e evitar superfaturamento. Essas foram as primeiras propostas do prefeito eleito de Montes Claros, o empresário do setor de educação e ex-deputado estadual Ruy Muniz (PRB), ontem à noite, logo após ser confirmado vencedor do segundo turno na cidade, sexto maior colégio eleitoral do estado – com 246,7 mil eleitores. Muniz ficou com 56,15% dos votos (105.610), contra 43,85% (82.478) de seu adversário, o deputado estadual Paulo Guedes (PT). A vitória do representante do PRB foi comemorada por milhares de pessoas na Avenida Sanitária, Região Central da cidade, ontem à noite.

A eleição de Ruy Muniz, de 53 anos, marca uma renovação na política do maior município do Norte de Minas, onde nos últimos 30 anos apenas quatro nomes ocuparam a chefia do Executivo. O representante do PRB venceu um pleito marcado por surpresas e reviravoltas. Os candidatos que concorreram no segundo turno não eram favoritos nas pesquisas no início da campanha. Ruy Muniz começou como candidato de oposição à atual administração, mas acabou aumentando suas chances de vitória exatamente pelo apoio recebido do PMDB, partido do atual prefeito, Luiz Tadeu Leite, que, com problemas de saúde e diante do alto índice de rejeição, desistiu de concorrer ao segundo mandato. Como é filiado a um partido pequeno, Muniz não tinha tempo na televisão suficiente para apresentar suas propostas, o que foi garantido pelo PMDB e outras legendas ligadas à atual administração.

Assim que foi declarado vencedor, ele fez um discurso de agradecimento às lideranças, familiares, dirigentes partidários, apoiadores e cabos eleitorais, no Automóvel Clube de Montes Claros, onde acompanhou a apuração. “Não vou tirar férias. Vou trabalhar a partir de amanhã (hoje). Quando assumirmos a prefeitura, a nossa meta será inaugurar uma obra por mês, que seja uma escola, um posto de saúde ou uma praça”, declarou.

Muniz disse que não houve negociação de cargos nos apoios recebidos no segundo turno e, por isso, não vai lotear a prefeitura. “Estamos livres para nomear uma equipe competente. Vamos fazer um governo mais técnico do que político. Claro que vamos escolher pessoas que também tenham sensibilidade política e social.” Ele anunciou que uma de suas prioridades é promover melhorias no setor de saúde, sobretudo na atenção básica. Por outro lado, admitiu que o atual secretário municipal Geraldo Edson Souza Guerra pode permanecer no cargo, tendo em vista “pedido dos médicos e dos hospitais”.

Segundo Muniz, um dos primeiros desafios será organizar a parte financeira da prefeitura e negociar dívidas com os credores. No entanto, ele alegou que ainda precisa conhecer os números das despesas e das receitas. Prometeu fazer um governo transparente e, para isso, vai implantar um modelo de licitação de obras em que a concorrência vai abranger um projeto executivo, contemplando todos os custos e aspectos da construção. “As obras não serão licitadas apenas pelo projeto arquitetônico, mas também pelo projeto elétrico, hidráulico e estrutural. Vamos saber quanto realmente custa e evitar o superfaturamento.”

Paulo Guedes Mesmo perdendo a eleição, Paulo Guedes considera que o PT conseguiu uma vitória política na cidade. “Enfrentamos todos os grupos políticos de Montes Claros e tivemos cerca de 44% dos votos. Uma parte da oposição que poderia nos ajudar, representada pelo (ex-deputado) Humberto Souto e pelo (ex-prefeito) Athos Avelino, se omitiu no segundo turno.”, comentou. Ele anunciou que sua meta é fazer uma oposição construtiva: “Como deputado estadual, vou lutar para fazer recursos para a cidade”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.