sexta-feira, 5 de Setembro de 2014 05:53h Carina Lelles

“Em linhas gerais, a região Centro-Oeste está de joelhos, ela está mendigando”

Quem é o Edson Sousa?

Sou filho de Divinópolis, nasci aqui e moro no Porto Velho. Comecei a trabalhar aos doze anos de idade vendendo pão na rua. Trabalhei também na siderúrgica e na Rede.  Sou casado com a Jacira, tenho dois filhos, Mateus e André. Tenho formação em sociologia e pós-graduação em política. Fui vereador três vezes, por duas vezes fui o presidente da Comissão de Ética, fui também presidente da Câmara e tenho orgulho de ter sido reconhecido pela imprensa como vereador mais atuante e vereador nota 10. O meu trabalho da cultura parlamentar foi destaque pela produção intelectual política que fiz.

 

 

Quais as suas propostas caso seja eleito?
Primeiro, o meu papel será fiscalizar o Executivo. Esse país tem leis demais, nós precisamos é colocá-las em prática. Estou me candidatando a deputado estadual, ou seja, estou me candidatando a ser um fiscal do Executivo. Quando as pessoas criticam o Judiciário e o Ministério Público, isso é covardia. Tem que criticar as Casas Legislativas, os municípios e o Estado. Depois que o “leite entorna” não tem jeito, as pessoas confundem. O que eu sinto na cultura política hoje é que as pessoas se candidatam ao poder legislativo, elas são frustradas. No fundo eles queriam ser prefeito, governador e presidente da República. Eu quero ser um parlamentar, o meu papel fundamental é fiscalizar o Executivo, ou seja, fiscalizar o futuro governador.


Em linhas gerais, a região Centro-Oeste está de joelhos, ela está mendigando, nós temos um orçamento de quase R$ 80 bilhões por ano, muito inferior à nossa cidade. Olha o cão que virou a nossa cidade, nós não temos voz no governo. Quem está no governo para defender os interesses da geopolítica? Está tudo indo para o Triângulo, o Sul, Zona da Mata, a região Centro-Oeste está órfã. O PSDB conseguiu colocar a região Centro-Oeste de joelhos, estão nos isolando.


Não é pecado criticar governador não, quero ser deputado para defender Minas Gerais e, com carinho, a região Centro-Oeste. Essa cidade [Divinópolis], bem como as demais da região, tem que ser ouvida. Estou vendo algumas coisas acontecerem que, se eu virar deputado, o governador irá escutar minha voz de manhã, à tarde e a noite.


Um exemplo: Divinópolis é uma das cidades que mais crescem verticalmente no Brasil, nós temos centenas de prédios acima de quatro andares. Se acontecer, por exemplo, uma tragédia no Costa Rangel, vamos virar manchete em rede nacional e mundial. Por mais projetos técnicos que temos hoje, não damos conta de tirar uma escadaria do orçamento. Agora, eu sei fazer isso e sei isso porque o político tem que conhecer regimento interno, lei orgânica, Constituição Federal. O político, vereador, deputado, senador, ele pode mexer no orçamento no primeiro ano quando o orçamento vai para Casa, depois ele não mexe com dinheiro.


Falta competência, você não sabe o que as pessoas querem ser, se empresários, médicos, parece até que político é artista. Eu vou me dedicar integralmente, como me dediquei a vereador e a toda minha vida pública como parlamentar. Quero usar a tribuna, que é a maior das montanhas de Minas, é a tribuna legislativa. Quero falar dessa cidade, dessa região e do Estado. E quero ter efetiva a política nacional, porque quando Minas fala, o Brasil escuta. Minas é a vanguarda do coração político desse país.


Não temos um bom debate, está acontecendo, por exemplo, a situação de discurso da maioridade penal, é logico que o Congresso Nacional tem grande competência para o assunto, mas um deputado estadual pode ser útil também nesse caso.


A educação, a insegurança pública, Divinópolis já teve mais delegados da Polícia Civil do que tem hoje, a população cresceu e está esse descaso com a Polícia Civil. É brincadeira o que está sendo feito aqui, inclusive, acho que eles perderam o respeito por nós aqui, precisamos resgatar isso.

 

 

Porque os eleitores devem votar no Edson de Souza?
Porque sou uma pessoa que já foi testada. Eu fui eleito pela impressa duas vezes como o vereador atuante e nota 10. Estou preparado moralmente, intelectualmente e espiritualmente para assumir esse cargo. Nunca tive um processo, e estou me candidatando não para ter vida dupla ou ser artista, quero me dedicar exclusivamente a ser deputado.


Só vou ampliar o orçamento e a dimensão geográfica porque vou mexer com orçamento muito maior e fiscalizar 853 municípios. Aumentou a visão e estou preparado para isso, quero debater grandes temas regionais, elevando os nossos potenciais. Não sou daquela política de trabalhar contra candidato A ou B, eu gostaria que Divinópolis tivesse era quatro deputados estaduais e três federais, porque nós temos capital político como cidade polo para tal feito.


Votar em mim, é votar na transparecia, na ética, na utopia, vai votar em um sonho de termos uma cidade mais justa e fraterna. Votar em mim é reconhecer principalmente o meu trabalho público, então eu gostaria que as pessoas que acompanham a Gazeta aproveitem com esse espaço nos dado para conhecer cada candidato. Depois de Deus e da minha família, a coisa que eu mais amo é a política.

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.