quarta-feira, 30 de Setembro de 2015 09:44h Atualizado em 30 de Setembro de 2015 às 09:58h. Jotha Lee

Empresário dispara contra a atuação dos políticos de Divinópolis

Ex-vereador afirma que a Prefeitura de Divinópolis é uma vergonha

Continua repercutindo a entrevista concedida na semana passada ao Jornal Gazeta do oeste pelo ex-deputado Geraldo da Costa Pereira. A afirmação de que o PMDB traiu vários políticos da cidade foi a que mais acirrou os ânimos, provocando respostas ácidas. Primeiro foi o ex-vereador Edson Sousa, agora filiado ao PMDB. Para ele, a reação de Geraldo da Costa foi provocada por ciúmes. “Parece que o Geraldo tem um ciúme mal resolvido com o PMDB e isso lhe faz mal”, disse Edson Sousa.
Ontem foi a vez do advogado, empresário e ex-vereador Waldemar Raimundo Manoel, o Waldemar da Pamer, atualmente sem filiação partidária. De expressões simples, porém seguras e certeiras, Waldemar fala de política com autoridade e conhecimento. Tem uma visão extremamente crítica da atuação dos políticos de Divinópolis. “Quanto mais eu procuro saber sobre política, mais eu vejo o QI de ameba que têm esses políticos de Divinópolis. Você nunca viu um projeto aprovado na Câmara Federal ou na Assembleia de um político de Divinópolis”, afirma.
Para o empresário, os representantes divinopolitanos na política não vão até o povo. “Nossos políticos não sentem o que o povo sente. Eles não vão à periferia ver o que o povo está passando. Ninguém vai ver a dificuldade que o povo está enfrentando. Eles só andam de avião. Não entram em um carro para ir à periferia, não andam de ônibus. Por que eles não entram em um ônibus para conversar com o povo para saber o que as pessoas estão passando?”, questiona.
Waldemar da Pamer diz que embora não esteja filiado a nenhum partido, continua atuando na política. “O brasileiro é político nato. Nós temos é que exercer nosso direito de falar, de comunicar. Precisamos de uma imprensa livre, independente”, avalia.

 

VERGONHA
Para o ex-vereador, a situação da Prefeitura reflete a política da cidade. “A Prefeitura de Divinópolis é uma vergonha. Como uma máquina pode funcionar adequadamente se os funcionários não têm condições decentes de trabalho? Um funcionário da Prefeitura, por exemplo, se ele quiser usar o banheiro, tem que levar papel higiênico de casa, porque lá não tem. Se ele quiser comprar uma vassoura, tem comprar com o dinheiro dele. Caneta, tem setor que não tem caneta. Não tem papel”, afirma com a convicção de quem tem informação privilegiada.
Waldemar da Pamer critica também a demora na entrega do Centro Administrativo. “A obra do Centro Administrativo é obra para seis meses, tem sete anos que estão construindo aquilo lá e o esqueleto já foi comprado pronto. Já gastaram uns R$ 20 milhões ali e vão gastar mais R$ 10 milhões”, avalia.
Sobre a declaração de Geraldo da Costa Pereira de que ele, Dona Maria Martins, Rinaldo Valério e Márcio Miranda foram traídos pelo PMDB, Waldemar deixa claro que o ex-deputado não faltou com a verdade. “Só de ter meu nome citado junto com pessoas de tamanha importância para a cidade, já é motivo de muita honra e fico muito lisonjeado. Em nível nacional, o PMDB é um dos partidos mais corruptos do Brasil, em nível estadual não fica muito atrás. No PMDB de Divinópolis a situação não é diferente. Aqui, quem manda no PMDB é o Galileu [ex-prefeito pré-candidato à reeleição]. Mas ele manda é só no partido, quando entra na Prefeitura ele não manda em nada. Só assina”, dispara.
Waldemar da Pamer não nega sua admiração ao ex-prefeito, mas assegura que o tempo de Galileu já passou. “Admiro muito o Galileu, pelo seu trabalho, por sua história, mas o tempo dele já passou. Ele tem que deixar o espaço para os jovens, para gente qualificada, pois há muita gente com capacidade na cidade”, finaliza.

 

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.