quarta-feira, 27 de Julho de 2011 09:21h Atualizado em 28 de Julho de 2011 às 16:29h. Flávia Brandão

Entidades de classe cobram duplicação da MG-050 entre Divinópolis e BH

Contrato com a Nascentes das Gerais prevê obras por completo somente em longo prazo

A duplicação da MG 050 no trecho que liga Divinópolis a Belo Horizonte, que é tão esperada para dar novo fôlego ao trânsito melhorando significativamente a logística das cidades do entorno foi tema de recente reunião com os deputados Domingos Sávio (PSDB), Fabiano Tolentino (PRTB), o prefeito de Divinópolis, Vladimir Azevedo (PSDB), com o Secretário Estadual de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles, e representantes da Concessionária Nascentes das Gerais. Mesmo os motoristas arcando com o alto custo dos pedágios, a duplicação completa está prevista no contrato para ser executada em longo prazo e não a curto como é aguardado desde a concessão. Na reunião, com os parlamentares foi acordada uma revisão do contrato até o final de agosto. Representantes de entidades de classe de Divinópolis - que defendem o interesse de empresários - foram unânimes ao dizer que é preciso uma atuação forte dos parlamentares para rever o contrato e promover a duplicação completa do trecho.

 

 

O presidente da FIEMG na Região Centro-Oeste, Afonso Gonzaga, afirmou que por enquanto não está sendo feito um movimento para debater o assunto, mas a entidade pretende buscar o apoio de Prefeituras e Câmaras de cidades do entorno da MG-050 bem como o apoio de deputados estaduais para discutir o teor do contrato, juntamente com a empresa Nascentes das Gerais e o Estado, que estão na Parceria Pública Privada (PPP). Afonso acredita que a reivindicação é justa e classifica o pedágio como “abusivo” principalmente quando comparado a rodovias como a Fernão Dias (BR 381), que é em torno de R$1,20. “Temos que chamar a empresa responsável pelo contrato e o Estado para conhecermos o teor do contrato e fazer os nossos pleitos. O volume de carros, que trafegam é muito alto, eu, por exemplo, uso a estrada três vezes por semana. A privatização e manutenção melhoraram alguns trechos, mas é importante reivindicar em toda a extensão”, disse.

 

Antônio Rodrigues (Toninho), presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Divinópolis (Sinvesd), avalia que a articulação para reivindicar a duplicação completa tem que ficar a cargo dos deputados federais e estaduais, por meio da revisão do contrato. “Com certeza é interesse da população essa duplicação, mas lutar e articular mudanças no contrato de concessão cabe aos deputados”, destacou.

 

 

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Divinópolis (DCL), Rafael Nogueira, a duplicação é urgente já que envolve duas questões: a segurança no trânsito e também o acesso fácil dos cidadãos, que procuram Divinópolis, polo da Moda, para comprarem mercadorias. Além disso, Nogueira avalia que a falta de duplicação faz com que Divinópolis perca indústrias para outras regiões. “Para trazermos indústrias temos que ter uma logística boa. É uma rodovia com muito movimento e com pista simples o que gera um transtorno grande. Quem tem pensado em fazer investimento aqui se tiver outra opção acaba optando por outro lugar, o que tem feito nós perdemos na disputa com outras cidades nos últimos anos”, destacou.

 

Nogueira afirma que não está sendo articulada uma reivindicação a respeito da questão, mas pontua que seria interessante uma reunião com os deputados para apresentar essa grande necessidade, já que a população paga alto pedágio e a obra é fundamental para o desenvolvimento da região. “Esse contrato precisa ser revisto porque já temos um pedágio alto e não pode onerar mais os cidadãos. Hoje, as entidades não estão articulando nada, mas seria importante reunir com os deputados para que eles ouçam nossas demandas ”, disse.

 

 

Além os dirigentes citados na matéria, a reportagem entrou em contato com ACID e Sindgusa, mas os representantes estavam ausentes.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.