quarta-feira, 18 de Dezembro de 2013 03:35h Carla Mariela

Entrevista José Wilson Piriquito

“Eu apresentei vários projetos na casa, fiscalizei várias obras do Poder Executivo e também ajudei a população de Divinópolis cumprindo com o dever de vereador”

Qual o balanço que você faz do seu mandato neste fim de ano de 2013?
Graças a Deus faço um balanço muito especial porque são quase 12 meses atuando como vereador. Eu apresentei vários projetos na casa, fiscalizei várias obras do Poder Executivo e também ajudei a população de Divinópolis cumprindo com o dever de vereador.
Sobre a sua opinião em relação a projetos mais debatidos na casa, como por exemplo, o crédito suplementar no montante de aproximadamente R$ 22 milhões de autoria do Poder Executivo e o que poderá ser protocolado sobre a extinção dos cargos de auxiliar de serviço na prefeitura?
O projeto de crédito suplementar no valor de aproximadamente R$ 22 milhões é polêmico porque chegou para nós na casa legislativa já quase na hora de ser votado. Eu sei que a prefeitura necessita dessa verba para fazer os ajustamentos devidos, principalmente, para pagar as suas dívidas e sei que não é ilegal e por isso votei junto com a maioria.
Já em relação ao projeto de extinção dos cargos de auxiliar de serviço na prefeitura eu tenho que estudar esta proposta porque sou funcionário público há mais de 21 anos, mas hoje estou no legislativo. Esta é uma lei que tenho que analisar tanto o lado do funcionário quanto o lado do sindicato dos trabalhadores para não prejudicar a imagem de ninguém.
Sobre audiências públicas que ocorreram ao longo do ano, assuntos importantes, como Copasa, terceirização do hospital público por meio de Organizações Sociais (OS), a MG 050 e Concessionária Nascentes. Qual a importância de se debater estes temas no legislativo?
Eu fui à audiência pública da Copasa e também estive em Belo Horizonte na sede da Copasa para debatermos sobre questões voltadas a companhia. Quando cheguei à câmara o contrato já estava firmado entre prefeitura e Copasa. Hoje como vereador eu tenho que legislar, fiscalizar e tentar melhorar o dia a dia do serviço da Copasa e principalmente das suas empreiteiras que vem fazendo um serviço que por sinal está muito mal estruturado. De agora para frente é minha obrigação fiscalizar estas obras.
Sobre o hospital público eu estou vendo que a prefeitura está fazendo um estudo e acredito que este hospital vai ser de grande serventia para o divinopolitano e também para a região. Além disso, tem que ser uma coisa bem feita porque o problema maior será mantê-lo. Essa é uma maneira que deve ser muito estudada. O que for melhor para Divinópolis eu concordarei.
Quanto ao restaurante popular eu estive no local várias vezes e deparei com muitas pessoas almoçando, mas que tem condições financeiras. O restaurante popular é do povo, mas ali o que pude perceber era que pessoas estavam usufruindo de um almoço que é de fato para quem necessita.
Sobre a Nascentes, quando houve o contrato não fizeram um contrato 100% para ela cumprir. Hoje está sendo feita a parceria junto com o governo, a chamada Parceria Público Privada e eu acho isso errado porque o governo está tirando um dinheiro que pode ser destinado aos municípios.
Sobre o plano diretor. Como está o andamento e estudos desta lei na casa legislativa?
O plano diretor é um marco para Divinópolis. Estou estudando este plano e tem vários pontos polêmicos. Nós vereadores não vamos votar esta lei de um dia para o outro, portanto não votaremos esta lei neste ano. Vou analisar o projeto para não prejudicar nem o A e nem o B.
Dentre as indicações que você apresentou na câmara municipal pontue algumas:
Foram 15 projetos apresentados no decorrer do ano porque o vereador não tem que fazer tanto projeto. Porém se é um projeto que é para o povo e vai além da capacidade que o povo necessita, este é melhor. Eu tenho um projeto que apresentei quando cheguei à casa que dispõe sobre a identificação de crachás aos funcionários da câmara e hoje o projeto é sucesso porque os servidores da câmara aceitaram a lei. O segundo projeto é o CM 063/2013, que dispõe sobre o cadastro de pessoas que se encontram desaparecidas. Sei que é um projeto difícil porque fala de famílias que perderam seus entes queridos e não sabem onde estão. Nesse momento eu pensei em ajudar estas famílias que devem comparecer à casa com o documento de identificação do desaparecido e boletim de ocorrência da polícia.
Também apresentei um projeto sobre a criação da semana municipal de conscientização, prevenção e combate aos acidentes ferroviários. Esse é um trabalho social de extrema importância porque preserva acima de tudo a vida. Fiz um contato com o diretor da Ferrovia Centro Atlântica (FCA) e eles acharam de grande importância este projeto para a empresa. Desenvolvi esta proposta e antes dela ser aprovada já estava sendo aplicada em oito cidades mineiras. Para o ano que vem vou apresentar esta lei ao deputado estadual Fabiano Tolentino (PPS) para que ele possa levar até a câmara dos deputados de Minas para ser aprovado em âmbito estadual. É um projeto que visa à abertura das portas da FCA para os moradores para que eles possam conhecer como é a ferrovia.
Tem vários projetos que estão em andamento na casa. Sei que ainda neste ano os vereadores vão aprovar alguns projetos. O vereador não faz obras, mas como sou um vereador que veio da base, de bairro, sempre procurei trabalhar como presidente de associação. O vereador é eleito pelo povo para fiscalizar, legislar, e fazer projetos para Divinópolis, mas o vereador que é do povo sem apoio do prefeito, e dos deputados estaduais e federais, não é nada. Precisamos unir nossas forças para fazer uma Divinópolis melhor. Nesse sentido que realizamos as obras de necessidade. O povo quer uma rede esgoto, um calçamento, dentre outros.  Dentre as indicações tenho vários pedidos de escola tanto municipais como estaduais em reformas. Tenho visitado as escolas e várias diretoras me pediram ajuda para com o prefeito e deputados. Conversando com o deputado estadual Fabiano Tolentino e Domingos Sávio, consegui verbas para reformas de quadras, como por exemplo, na Escola Manoel Correa; na Escola Miguel Couto, Escola Antônio Olímpio de Morais, academias ao ar livre para o bairro planalto com aparelhos adaptados para deficientes físicos. Consegui um montante de repasse no valor de quase R$ 200 mil. Estou feliz de ter esta parceria com o deputado Fabiano Tolentino e Domingos Sávio; e o prefeito em prol de melhorias para Divinópolis.
Este ano foi marcado por sua mudança de partido. Você saiu do PSD e foi para o Solidariedade (SDD). Como ocorreu esta mudança?
A ideologia do SDD é a redução de impostos, mais trabalhos para a população. Vivemos em um país que paga muitos impostos e quando eu vi que o partido Solidariedade iria trabalhar nesta tese de diminuição de impostos e por um Brasil melhor eu acreditei e a convite do vereador Eduardo Print Júnior fomos até Belo Horizonte e bem recebidos pelo presidente estadual José Silva e também pelo Paulinho da força sindical que é o presidente nacional do partido. Fiquei muito satisfeito e vamos trabalhar muito neste partido.
O que a população pode esperar de você em 2014?
Eu tenho várias indicações que foram feitas por meio de vários presidentes de associações, através destas solicitações eu elaborei estas indicações para o prefeito municipal e deputados. Estas indicações estão voltadas para as questões de calçamentos, iluminação pública, rede esgoto, asfalto, e estou sendo bem atendido. Temos vários asfaltos que virão. Hoje temos um semáforo na Rua Itambé com Goiás. Temos outro que será instalado na Rua Duarte com Autorama, dentre outras indicações.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.