quinta-feira, 25 de Outubro de 2012 07:43h Gazeta do Oeste

Especialista: quadro em São Paulo está praticamente inalterado

 As pesquisas Ibope e Datafolha de intenção de votos divulgadas nesta quarta-feira, que mostram o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, à frente do candidato tucano, José Serra, com vantagem de 13 e 15 pontos porcentuais, respectivamente, mostram que o quadro pode estar caminhando para uma consolidação dessa disputa, avalia o especialista em marketing político e pesquisas eleitorais Sidney Kuntz. "O quadro está praticamente inalterado desde o começo do segundo turno. Quem votava no Haddad continua com ele e o Serra recuperou parte dos eleitores que havia perdido, não houve muita alteração no cenário", avalia Kuntz.

Na pesquisa Ibope, Haddad aparece com 49% das intenções de votos contra 36% de Serra. No Datafolha, a margem foi maior: 49% a 34% para o petista. Kuntz avalia que, faltando apenas quatro dias para as eleições, o cenário não permite muita margem de manobra para os concorrentes. Na análise da campanha tucana, ele diz que "a propaganda de Serra usou todas as ferramentas que dispunha" e que, até o pleito, tem apenas mais um debate (o da Rede Globo), "o que não deixa muita margem para ação". E destaca: "Historicamente, não costumam acontecer mudanças bruscas com tanta proximidade das eleições, a não ser que algo impossível de prever ocorra", afirma. E ressaltou: "Para Serra reverter o cenário baseado nas pesquisas divulgadas hoje (quarta-feira), significaria tirar algo em torno de 700 mil votos de Haddad."

Sobre o debate em torno da manutenção ou rompimento das parcerias da Prefeitura com as Organizações Sociais (OS) da Saúde - que administram hospitais e unidades de saúde públicos - que gerou polêmica nos últimos dias com a campanha de Serra afirmando que, se eleito, Haddad irá romper essas parcerias e o petista negando, Kuntz avalia que o assunto não conseguiu atingir os eleitores. "O Haddad soube responder bem às críticas. Do jeito que o assunto foi tratado, apenas quem está diretamente envolvido com as OS, como os funcionários, pode ter ficado preocupado e pensado em mudar o voto", comentou.

Kuntz afirma que o debate entre os dois candidatos realizado na noite desta quarta-feira no SBT não deve trazer mudanças ao quadro eleitoral, já que não foram abordados temas inéditos na campanha. Ele elogiou a performance de ambos. "Os dois estavam muito bem preparados e municiados de dados. Estão escolados", afirmou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.