segunda-feira, 9 de Dezembro de 2013 03:47h Carla Mariela

“Estou acompanhando os noticiários nacionais e percebo que Divinópolis é só mais uma das tantas cidades que está passando por um momento dificultoso”

1) Qual o balanço que você faz do seu mandato neste ano de 2013?
Divinópolis é a princesa do oeste mineiro, cidade que eu gosto muito e é um prazer enorme de ser vereador por este município. Em relação ao meu mandato, este foi um primeiro ano de mandato muito difícil porque a prefeitura está passando por uma situação financeira complicada. Mas, não é só em Divinópolis que está ocorrendo este fato. Estou acompanhando os noticiários nacionais e percebo que Divinópolis é só mais uma das tantas cidades que está passando por um momento dificultoso. 95% dos municípios brasileiros sofrem com esta situação. Entretanto, foi um ano difícil, mas na medida do possível as coisas estão acontecendo.

2) Qual a sua opinião em relação aos projetos mais debatidos na casa, como por exemplo, o crédito suplementar no montante de aproximadamente R$ 22 milhões de autoria do Poder Executivo e a lei que poderá ser protocolada, EM 056/2013, sobre a extinção dos cargos de auxiliar de serviço na prefeitura?
O projeto de lei de aproximadamente R$ 22 milhões eu votei contra por entender que Divinópolis precisa dar uma enxugada nos gastos públicos. Foram aprovados anteriormente R$ 5 milhões, depois mais R$ 5 milhões e me parece que esse dinheiro ainda não foi aplicado em Divinópolis em melhoria para o cidadão. Eu acho que é hora da casa legislativa dar uma freada e parar de aprovar projetos, principalmente, daqueles que tratam de empréstimos e tentar resolver estas primeiras propostas que já foram aprovadas, ou seja, gastar em prol da população e da cidade e assim depois contrair novos empréstimos.
Todo projeto que vem enxugar a máquina administrativa é válido e se o projeto EM 056/2013, sobre a extinção de cargos de auxiliar de serviço na prefeitura, for de certa forma para dar um pouco mais de conforto para a prefeitura no que se refere a recurso, ou seja, se isso for gerar economia para o Poder Executivo eu sou favorável ao projeto.

3) Sobre audiências públicas que ocorreram ao longo do ano, como Copasa, terceirização do hospital público por meio de Organizações Sociais (OS), e sobre a MG 050 e Concessionária Nascentes. Qual a importância de se debater estes temas no legislativo?

A Copasa eu acho que hoje não tem mais como estar discutindo este assunto, por ser uma coisa que já foi aprovada no passado e que os vereadores atuais pouco podem fazer para melhorar algo em relação a este projeto. Eu acho que são debates desnecessários que não vão adiantar em nada por já ter sido votado na legislatura anterior. São debates vazios, politiqueiros e que para a população não vai resolver nada. Já em relação à terceirização do hospital público por meio de OS, este é um tema complexo que deve ser muito debatido pelos vereadores e autoridades competentes. Eu acho que o assunto deve ser mais discutido porque há muitas dúvidas. Temos que chamar a população para participar mais de encontros para que possa ser feito o melhor possível.
Quanto à questão do restaurante popular, esta deve ser adequada porque muitas pessoas que não precisam fazer o uso do local estão utilizando. De certa forma deve-se haver uma regularização. A prefeitura está com a razão ao tentar direcionar o atendimento do restaurante popular exatamente para as pessoas que realmente precisam. Tem que ter critério e a prefeitura quando tenta buscar estes critérios isso é válido e um dos critérios que eu concordo que teria que se adotar é exatamente quanto aos moradores de rua, com as pessoas que são de baixa renda, como por exemplo, as pessoas que estão inseridas no Programa Bolsa Família. Hoje lá eu vejo pessoas que tem o poder aquisitivo bom, mas que acaba fazendo o uso daquela estrutura que na verdade teria que ser para as pessoas carentes.
A Concessionária Nascentes das Gerais eu acho que é um tema que não deveria ser debatido pela casa legislativa. Esse é um assunto que deve ser tratado pelos deputados estaduais e se nós vereadores começarmos a debater temas que não são de competência do Poder Legislativo, será uma perca de tempo.

4) Em relação ao plano diretor participativo. Qual a importância deste projeto para Divinópolis e como está o andamento e estudos deste na câmara municipal?
O plano diretor naturalmente é um projeto muito importante que jamais pode ser votado às pressas, porque se nós vereadores votarmos este projeto ainda neste ano, com certeza vai votar as pressas porque é um projeto que tem inúmeras páginas e muitos itens tem que ser estudados. A Mata do Noé, por exemplo, teria que estar inclusa no plano diretor, mas este tempo de análise é até uma forma para estarmos colocando a Mata do Noé no plano.

5) Este ano de 2013 foi marcado pela mudança de partido, do partido PHS você foi para o PROS. Como surgiu a ideia desta mudança?
O PROS é um partido recém-criado, partido que tem como bandeira a diminuição da carga tributária no nosso país e eu por gostar e entender que a bandeira do partido é importante; é uma bandeira que vem de certa forma para ajudar a população no que se refere aos tributos. Eu achei por bem trocar de partido e hoje estou como presidente do PROS aqui em Divinópolis. Eu trouxe também mais dois vereadores comigo, o vereador Careca da Água Mineral e o vereador Marquinho Clementino para somar comigo neste partido e somos hoje a maior bancada da câmara municipal nesta legislatura.

6) Sobre o projeto comunidade em foco para detectar problemas em bairros da cidade. Qual a importância desta proposta?
O projeto comunidade em foco foi criado porque quando ganhei para vereador eu via a necessidade do parlamentar estar mais presente nos bairros e próximo às comunidades. As pessoas falam muito que o político como um todo só procura as pessoas quando precisa do voto. Este projeto foi elaborado para tirar, entretanto, um dia da semana para estarmos nos bairros conversando com a população para saber quais são as necessidades e dentro das demandas que eles apresentam, elaboro os ofícios e as indicações que são encaminhadas ao Poder Executivo para a realização dos trabalhos. As atividades foram iniciadas no bairro Icaraí, depois no bairro Jardim Candidés, Jovelino Rabelo, dentre outros e nos próximos dias devo estar em mais bairros.

7) Dentre as indicações que você apresentou na câmara municipal pontue algumas:
Foram ao todo 111 indicações, dentre as mais variadas. Para a criação destas indicações sempre procurei ouvir o povo. Foram quatro projetos de lei propostos e dois requerimentos. Além disso, promovi algumas ações sociais. Neste ano no bairro Campina Verde eu propus o arraial do verdão, esta foi uma grande festa. No bairro Icaraí, eu fiz a primeira festa das crianças que teve aproximadamente a presença de 1.000 pessoas e a décima primeira festa do bairro Campina Verde, festa também das crianças. Apoiei ainda algumas peças teatrais. Foram várias as ações.

8) O que a população pode esperar de você em 2014?
Este ano de 2013 foi um ano de aprendizagem e na medida do possível tenho feito um trabalho talvez até um pouco silencioso, porque não sou muito de pronunciar, mas estou sempre preocupado com a população e baseado nisso tive a oportunidade de estar em Brasília e lá fui buscar com os deputados federais, com os senadores, melhorias para a nossa cidade. Tive a oportunidade de estar no gabinete do senador Clésio Andrade, estive também com o deputado federal Jaime Martins, com o deputado federal Domingos Sávio, dentre outras autoridades, e saí de Brasília satisfeito com a recepção. Do gabinete de Clésio Andrade foi conseguido uma emenda que ainda está em andamento, mas que em 2014 provavelmente já teremos esta que é no valor de R$ 500 mil e será voltada para várias melhorias em Divinópolis. Estou esperançoso de que 2014 será muito melhor que 2013.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.