quinta-feira, 27 de Outubro de 2011 10:04h Atualizado em 28 de Outubro de 2011 às 09:49h. Liziane Ricardo

Ex-deputado afirma: "Divinópolis está sem representantes políticos"

Ex-deputado Geraldo da Costa avalia: “Nós estamos sem representantes para Divinópolis. E é a imprensa que tem feito este papel de cobrar melhorias para nossa região [...]”

A duplicação da rodovia MG 050 é uma nuance muita cobrada por parte da população das cidades de Divinópolis, Itaúna e São Sebastião do Oeste, nas quais comportam duas praças de pedágio em suas extremidades da rodovia. O aumento no valor do pedágio para R$ 4 e a notícia do adiamento da duplicação no trecho entre Mateus Leme e Divinópolis, foram motivos que levaram os cidadãos desta região reclamar e reivindicar providências por parte dos nossos representantes locais.


No entanto, durante a última reunião com o Secretário Estadual de Transportes, Carlos Melles (DEM), juntamente com o prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) e os deputados Domingos Sávio (PSDB) e Fabiano Tolentino (PRTB) ficou acordado que o contrato de concessão da Parceria Público Privada (PPP) deveria ser revisto, considerando o valor das desapropriações feitas pela Concessionária Nascentes das Gerais responsável pela rodovia. Até o momento a revisão do contrato ainda não foi totalmente finalizada, porém segundo informações da Nascentes a duplicação está prevista para 2012/2013 isto, caso todas as obstruções sejam retiradas do traçado e também caso as desapropriações sejam concedidas.


Para abordar este, e outros pontos de discussão da rodovia, a Gazeta do Oeste foi procurada pelo ex-deputado estadual Geraldo da Costa Pereira que cumpriu 20 anos de mandato na ALMG, e segundo ele conseguiu cobrar diversas ações efetivas por parte dos então governadores no período de 1979 à 2001. “Nós estamos sem representantes para Divinópolis. E é a imprensa que tem feito este papel de cobrar melhorias para nossa região. Eu mesmo fui vítima de um acidente na MG 050 numa curva próxima a Itaúna”, contou. Geraldo da Costa critica o valor do pedágio atualmente de R$ 4, visto que depois de Mateus Leme até São Sebastião do Paraíso não são perceptíveis melhorias substanciais, ao contrário do privilegiado  trecho de Juatuba a Mateus Leme, municípios que não são reféns de pedágio.


Entre 22 pontos críticos entre o município de Mateus Leme até Divinópolis, dos quais apresentam pontes, curvas perigosas, passagens de nível, que segundo o ponto de vista do ex-deputado estadual não passaram por adequações da concessionária. “Há pouco tempo, foi noticiado uma obra orçada em quase R$ 5 milhões para correção no traçado de Córrego Fundo, onde não há sequer 5 mil habitantes. Enquanto isto, ficamos reféns sem uma passagem de nível adequada para o bairro Candelária, isso sem falar na construção do trevo para o Centro Industrial que até hoje não saiu. O que acontece naquela área depois das 16h é um crime, pois é impossível transitar neste ponto da rodovia neste determinado horário”, frisou.


Já em relação aos diversos anúncios que os atuais deputados concedem a imprensa dizendo que as desapropriações e início das obras estão previstos para 2012/2013, Geraldo da Costa criticou e disse ser um absurdo fazer a população esperar tanto tempo. “Volto a dizer que está faltando representante para Divinópolis. Nós estamos sem força política para argumentar as necessidades de nossa região”, ressaltou. Enquanto deputado Geraldo da Costa relembrou seus feitos pelas cidades de São Sebastião do Oeste, São Gonçalo do Pará, Itaguara e outros municípios da região Centro-Oeste. “A Nascentes arrecada um valor altíssimo com duas praças de pedágio muito próximas cobrando este valor de R$ 4 e os pontos críticos que deveriam receber melhorias ficam para depois. A própria curva da MBL, onde já vimos acontecer diversos acidentes, a única providência tomada foi a pintura estratigráfica com faixas amarelas e placas de sinalização, e só isto não resolve o problema dos acidentes” pontuou.

 

 

SOLUÇÃO


A reportagem da Gazeta do Oeste questionou ao ex-líder político, o que os atuais deputados precisam fazer efetivamente para conseguir que Divinópolis seja melhor atendida e com maior agilidade por parte da Nascentes das Gerais. Em resposta Geraldo da Costa disse que é preciso ser feito um movimento para cobrar com mais veemência as providências. Outra solução apontada é a realização de um movimento por parte das entidades de classe. “As entidades Acid, Fiemg, Acasp, CDL, sindicatos comerciais e industriais, associações de moradores e demais instituições da cidade devem se unir e provocar este assunto junto a sociedade civil e concessionária, para que as melhorias não fiquem somente nas previsões contratuais”, finalizou.

 

SUDOESTE DO ESTADO


Na última terça-feira (25) a Concessionária Nascentes das Gerais deu início a uma nova frente de obra na MG-050. Dessa vez os trabalhos acontecerão na cidade São João Batista do Glória, no Sudoeste do Estado, entre os quilômetros 320,6 e 322,26. O investimento efetuado é de R$ 1,3 milhão. A previsão de conclusão da obra é de aproximadamente 90 dias.


Desde junho de 2007, a malha viária é administrada por meio da primeira Parceria Público-Privada (PPP) do setor de infraestrutura rodoviária do Brasil e desenvolvida pelo Governo de Minas. Até o momento, a Nascentes das Gerais investiu cerca de R$ 316 milhões em todo o trecho.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.