quinta-feira, 24 de Setembro de 2015 09:46h Atualizado em 24 de Setembro de 2015 às 09:49h. Jotha Lee

Ex-deputado diz que PMDB não cumpre seus compromissos

Geraldo da Costa rebate declarações do ex-vereador Edson Sousa

O ex-deputado Geraldo da Costa Pereira rebateu as declarações feitas pelo ex-vereador Edson Sousa, publicadas em matéria na edição de ontem do Gazeta do Oeste. O ex-vereador fez duras críticas ao momento que Divinópolis atravessa, disse que a cidade não tem voz em Minas e ainda afirmou que a indicação do ex-prefeito Demetirus Pereira para o cargo de assessor regional do governador Fernando Pimentel, foi um teatro que durou dois meses.
Deputado estadual por cinco mandatos consecutivos, sempre pelo PMDB e Secretário de Estado de Justiça no governo de Newton Cardoso (1987 a 1991), Geraldo da Costa fala com autoridade sobre política. Embora não esteja mais na vida pública, continua militante político, agora no PT, e sua opinião tem peso e respeito. “Sou amigo do Edson Sousa, mas não respeito suas ideias. Não comungo com suas declarações”, afirmou.
Sobre a nomeação e posterior recusa de seu filho Demetrius Pereira para o cargo de assessor do governador Fernando Pimentel, o ex-deputado disse que o ex-prefeito  ganhou um prazo para decidir. “Ao ser indicado para o cargo, ele [Demetrius] fez algumas ponderações e o governador deu a ele (sic) trintas dias para tomar uma decisão. Quando ele decidiu recusar o cargo, fez um entendimento com o governador de que ele indicaria outro nome e continuaria ajudando o governo como voluntário”, esclareceu.  “O que o Demetrius faria estando dentro do governo, vai continuar fazendo do lado de fora, para que Divinópolis possa continuar recebendo os benefícios do governo do Estado”, garantiu.
O ex-deputado discordou de Edson Sousa que afirmou que a cidade não tem voz no governo estadual. “Demetrius não abriu mão de algumas reivindicações quando decidiu não aceitar o cargo e os recursos anunciados pelo governador na sexta-feira [instalação do Fórum Regional] foram mantidos a pedido de Demetrius”, garantiu Geraldo da Costa. Durante o lançamento do Fórum Regional, Fernando Pimentel anunciou R$ 17 milhões para o Hospital São João de Deus, R$ 10 milhões para o Hospital Público, R$ 5,2 milhões para a construção da passagem entre os bairros Alvorada e Nossa Senhora da Conceição no anel rodoviário e R$ 240 milhões para investimentos da Copasa no tratamento do esgoto.
Geraldo da Costa assegurou que Divinópolis tem e sempre teve voz no governo do Estado. “Não vejo a pobreza de Divinópolis, como fala o ex-vereador Edson. Divinópolis é uma cidade pujante, de muito valor e que tem voz, sim, no governo do Estado”, assegurou. “Desafio qualquer pessoa para um debate no Ginásio Poliesportivo para apontar alguma omissão no meu mandato de deputado ou como secretário de Estado. Eu desafio a qualquer pessoa a levantar alguma coisa que eu tenha omitido ou deixado de fazer”.

 

TRAIÇÃO
O ex-deputado reagiu com ironia à previsão feita por Edson Sousa de que o PMDB poderá eleger oito vereadores no ano que vem. “Eu aconselho a todos os partidos a não lançarem candidato a vereador, porque o PMDB vai fazer todos os vereadores da Câmara Municipal, segundo o Edson. É o fim do mundo dizer que o PMDB vai fazer oito vereadores. Na história política de qualquer município, isso não existe. Estou estarrecido com essa afirmação. Parece que eu tenho que voltar para a escola para aprender política. Eu tenho 40 anos de política e nunca vi falar um negócio desses. O Edson é meu amigo, gosto muito dele, mas antes de falar alguma coisa, ele precisa pensar duas vezes para não falar bobagem”, reagiu.
Geraldo da Costa Pereira fez uma afirmação inédita ao Gazeta do Oeste. Depois de mais de 25 anos filiado ao PMDB, ele diz que foi vítima e traído pelo partido. “O Edson vai ser a próxima vítima do PMDB. Como fui eu, o Valdemar [Raimundo Manoel, ex-vereador], o Márcio Miranda, a Dona Maria Martins, o Rinaldo Valério. Todos foram traídos pelo PMDB, porque o partido não cumpre compromisso com ninguém”, disparou.
“Eu ajudei o Galileu em tudo o que me foi possível. Nomeei o Galileu para o governo do Estado, fiz o diabo, e, chega a hora da eleição, ele apoiou outro candidato. Apoiou Paulo César [de Freitas, ex-prefeito de Nova Serrana], apoiou o Márcio Miranda, menos o Geraldo da Costa Pereira. O Edson vai ser a próxima vítima do PMDB, já disse isso a ele. Eles [os peemedebistas] não cumprem compromisso com ninguém”, finalizou.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.