quarta-feira, 23 de Setembro de 2015 09:54h Atualizado em 23 de Setembro de 2015 às 09:54h. Jotha Lee

Ex-vereador filia-se ao PMDB e diz que Divinópolis perdeu suas raízes

Edson Sousa tentará retornar à Câmara em 2016

O ex-vereador Edson Sousa, que na eleição passada disputou a sucessão do prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) como candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pela ex-vereadora Heloisa Cerri (sem partido), acaba de filiar-se ao PMDB. A ficha de filiação foi assinada na noite da última segunda-feira, com a presença do ex-prefeito Galileu Machado, presidente do Diretório Municipal, o vice-presidente, Fausto Barros, dos vereadores Adair Otaviano e Hilton de Aguiar, alem de vários militantes da legenda.
Vereador por três mandatos consecutivos, o sociólogo Edson Sousa obteve 2.323 votos na sua última passagem pela Câmara, que ocorreu na legislatura de 2009 a 2012. Foi eleito pelo PDT, terminou o mandato pelo PSB e agora filia-se ao PMDB, legenda pela qual pretende disputar sua quarta eleição ao Legislativo.
Na qualidade de homem público, que transita com desenvoltura em todas as camadas da sociedade, Edson Sousa recebeu convite de vários partidos, porém fez sua opção pelo PMDB por várias razões, uma delas a presença do ex-prefeito Galileu Teixeira Machado. “Galileu é um homem humilde, ético, operativo e muito transparente, o que está faltando hoje na política. A classe política está muito desacreditada. Galileu é um homem simples, que não tem prepotência com o cargo. Ele é um sacerdote público”, afirma. “O PMDB não tem interferência externa. Aqui [em Divinópolis] você está num partido, de repente muda, alguém tira, isso aconteceu com vários partidos, como, por exemplo, o PR, o PFL [extinto] e muitos outros. O PMDB é um partido de raiz, onde o Galileu tem uma responsabilidade muito grande e ninguém interfere. Não tem aquela interferência de Brasília entrar aqui, de o governo do Estado entrar, ninguém interfere”, garantiu.

 

OITO VEREADORES
Edson Sousa é otimista com relação ao pleito de 2016 e faz uma previsão. “Pelo que eu estou vendo por aí, a projeção do PMDB é fazer oito vereadores, porque é o partido que vai ter chapa completa, que vai atender o percentual das mulheres e o que tem mais projeção de poder”, assegurou.
O ex-vereador fez duras críticas ao atual momento político para a cidade. “Divinópolis virou uma árvore de isopor, com raiz de salsinha e cebolinha de folha. Divinópolis perdeu suas raízes. Das cidades pólos, é a mais fraca politicamente. Veja o exemplo de cidades como Uberlândia, juiz de Fora, Montes Claros, Governador Valadares, a voz que essas cidades têm no governo do Estado. Divinópolis não tem voz”, criticou.
Para Edson Sousa a recente nomeação de Demetrius Pereira para o cargo de assessor do governador Fernando Pimentel foi apenas um teatro. “Veja, por exemplo, esse cargo de assessor do governador, foi um teatro que durou dois meses. Foi nomeado, não foi nomeado, você não sabe onde esse assessor despacha, qual o telefone”, disparou.
Para Edson Sousa, é preciso resgatar a voz de Divinópolis e a cidade precisa assumir sua condição de cidade pólo. “Divinópolis é uma cidade pólo e como cidade pólo, temos que ter a utopia para liderar e o desafio para resolver os problemas”, finalizou.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.