quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2015 10:03h Jotha Lee

Fabiano Tolentino pode ser presidente de Comissão da Assembleia

Deputado analisa aprovação da proposta de auxílio-moradia para residentes na capital

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) definiu a composição de todas as suas 21 comissões permanentes. Foram designados os cinco membros efetivos e os cinco suplentes para 18 delas, além dos sete parlamentares efetivos e sete suplentes para as três comissões que têm esse número de integrantes: Administração Pública, Constituição e Justiça e Fiscalização Financeira e Orçamentária. O próximo passo é realizar nas comissões as eleições para escolha de presidente e vice de cada uma.
Dois deputados da região foram designados membros das comissões. Fábio de Avelar (PT do B), com base eleitoral em Nova Serrana, vai ocupar as comissões de Esporte, Lazer e Juventude e também Turismo, Indústria, Comércio e Cooperativismo. “Uma das primeiras solicitações minhas junto à liderança de meu partido foi esta participação nestas duas importantes comissões. Agradeço a confiança do meu partido e também da Mesa Diretora da Assembleia. Vou trabalhar com muita disposição, pelos interesses de minha região e também de nosso Estado”, frisou Avelar.
Já o deputado Fabiano Tolentino (PPS) foi designado como membro efetivo da comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial e como suplente da comissão de Constituição e Justiça. Tolentino disse ontem que seu foco era integrar a comissão de Política Agropecuária. “Todas as questões do agronegócio em Minas passam por esta comissão e terei oportunidade de fazer um trabalho importante para a região e o Estado”, assegurou.
Tolentino é cotado para ser eleito presidente da comissão e a eleição vai ocorrer no dia 24. “De fato meu nome está sendo muito bem contado para o cargo, mas para isso preciso ter a indicação de meu bloco partidário e o voto dos companheiros da comissão”, afirmou.

 

AUXÍLIO-MORADIA
Na terça-feira, com 36 votos favoráveis e 22 contra, a Assembleia Legislativa aprovou a volta do auxílio-moradia para deputados que residem em Belo Horizonte. Essa regalia havia sido extinta no ano passado, porém, um ano depois a nova legislatura optou por retornar com o benefício.
O deputado Fabiano Tolentino, embora resida fora de Belo Horizonte, não recebe o auxílio-moradia desde 2013. “Retorno para Divinópolis quase todos os dias, por isso entendi não haver necessidade do auxílio”, afirmou. Sobre a aprovação da proposta, Tolentino diz que considera um retrocesso da Assembleia. “É um valor relativamente baixo a ser pago a poucos deputados que moram em Belo Horizonte para o tamanho do desgaste que atinge os 77 parlamentares”, acrescentou.
O auxílio-moradia corresponde a uma ajuda mensal de R$ 2.850 e no ano passado a média mensal que saiu dos cofres públicos para bancar o mimo aos deputados foi de 109,9 mil, conforme informa a Assembleia. Em 2014, o auxílio-moradia custou ao erário R$ 692.658,01.
Fabiano Tolentino falou ainda sobre seu posicionamento na Assembleia, já que seu partido, o PPS, optou por se colocar em um bloco independente. “Não somos situação, nem oposição, mas isso não tira nossa liberdade de votar os projetos de acordo com o que é melhor para Minas. E, ao mesmo tempo, nos garante bom trânsito junto ao governo, o que é fundamental para conseguirmos recursos e benefícios para os municípios que representamos”, finalizou.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.