sexta-feira, 8 de Julho de 2011 19:36h Atualizado em 9 de Julho de 2011 às 08:11h. Flávia Brandão

Fita é entregue ao presidente da CPI contra Edson Sousa

Presidente Adair Otaviano afirma que não ouviu o conteúdo porque está em busca de gravador adequado
A suposta gravação, que contém a conversa entre o tribuno José Venâncio com o ex-assessor Roberto Clementino para oferecimento de cargos na Copasa a mando do vereador Edson Sousa (sem partido) já está em poder da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga as denúncias contra o parlamentar. O tribuno José Venâncio que se negou veementemente durante depoimento na CPI, a entregar a fita mudou de ideia essa semana e procurou o presidente da CPI na última quarta-feira (6) para entregar a gravação. O presidente Adair Otaviano (PMDB) disse que o cidadão não justificou a entrega e que inclusive a Comissão já estava providenciando o pedido de busca e apreensão, mas o tão esperado conteúdo da fita ainda não foi ouvido, visto que a fita é pequena – modelo antigo – e um gravador especifico está sendo procurado para que a mesma possa ser ouvida. De acordo com o presidente da CPI, Adair Otaviano, assim que um aparelho adequado for encontrado a Comissão, que é composta também pelos vereadores Edmar Rodrigues (PRBT) e Heloisa Cerri (PV) será convocada para ouvir a fita. “Estamos tendo um pouco de dificuldade em conseguir um aparelho para ouvir a fita, mas a gente está providenciando. Assim que conseguirmos o aparelho vamos convocar a comissão para ouvir a fita e verificar se o conteúdo procede com as denúncias do cidadão Venâncio”, declarou. Questionado se iria ser feito um trabalho para verificar a autenticidade do material, como foi colocado pelo ex-assessor Roberto Clementino, da possibilidade da mesma ser editada, o presidente Adair adiantou que se o conteúdo for realmente comprometedor o material será sim encaminhado para perícia. “Na realidade nós primeiro temos que ouvir a fita, se de repente a fita tem conteúdo comprometedor com certeza vai passar por trabalhos técnicos, de quem tem conhecimento para saber a veracidade, se é uma fita original, se realmente o conteúdo podemos dar crédito”, explicou. A reportagem procurou o cidadão Venâncio para saber o porquê da mudança e ele alegou que preferiu evitar transtornos em sua casa, já que seria feito o pedido de busca e apreensão.Já o ex-assessor de Edson Sousa, Roberto Clementino, afirma que está tranquilo e quer ouvir o conteúdo da fita com calma. “Estou tranquilo. Acho que o Venâncio fez o que achou que devia fazer e espero ouvir com tranquilidade a fita. Ainda acredito que se de fato exista uma conversa minha com ele, ele deve ter interpretado mal um conversa que era informal, entre amigos e confidencial. Mas continuo afirmando que meus assessorados nunca me autorizaram a oferecer cargos nem dinheiro para ninguém”, declarou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.