quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015 09:24h Atualizado em 17 de Dezembro de 2015 às 09:33h. Jotha Lee

Folha de pagamento da Prefeitura consumiu mais de 42% da receita

Mudanças na equipe, confirmadas pelo prefeito, devem gerar economia de R$ 300 mil

A Prefeitura chega ao final de 2015 sem conseguir zerar o déficit na execução orçamentária e com perspectivas não muito animadores na recuperação financeira do município para 2016. Entretanto, a boa notícia é que esse ano, a Prefeitura conseguiu reduzir o déficit na execução orçamentária de R$ 104,5 milhões em janeiro, para R$ 47,7 milhões em outubro, conforme mostra o demonstrativo de receita e despesa publicado pela Prefeitura na edição de ontem do Diário Oficial dos Municípios. Entretanto, a Prefeitura não conseguirá zerar esse déficit, já que em novembro e dezembro as despesas do município são maiores.
O prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) prevê ainda mais dificuldades para 2016 e não esconde que atual situação é mais complicada do que no início do ano. “Estamos no alerta vermelho, com viés para o roxo”, disse ele ao ser questionado pelo Gazeta do Oeste sobre a situação financeira da Prefeitura. “A situação do setor público brasileiro passa por uma readequação e os municípios que já vinham em crise, com a situação macroeconômica do país, a tendência é que a situação que já era grave, se agrave ainda mais”, analisou. “Aqui em Divinópolis nós estamos procurando fazer algum exercício de controle, sem aumentar impostos. A gente procura fazer uma linha de contenção de gastos em que a gente vá se adequando sem cortar serviços básicos da população”, garantiu.
De acordo com o demonstrativo divulgado pela Prefeitura, nos primeiros 10 meses do ano, somente a folha de pagamento consumiu R$ 157.214.281,00, o que corresponde a 42,38% da receita liquida no mesmo período. A arrecadação total de janeiro a outubro, de acordo com o relatório, atingiu a R$ 346,7 milhões, considerando a retenção de receita de R$ 28,4 milhões. Nesse mesmo período, as despesas atingiram a R$ 394,4 milhões, ficando o déficit na execução orçamentária em R$ 47,7 milhões.
As principais receitas do município ficaram por conta das transferências intragovernamentais, que atingiram a R$ 264,6 milhões e na arrecadação de tributos, que atingiu a R$ 77,8 milhões. O Imposto predial e Territorial Urbano (IPTU) contribuiu com uma arrecadação até outubro de R$ 20,1 milhões.
Nesses primeiros 10 meses do ano, a Prefeitura investiu somente R$ 46,5 milhões e para amortização da dívida fundada, foram necessários R$ 9,3 milhões. Já para pagamento de juros e encargos da dívida, o município já desembolsou R$ 5,3 milhões em 2015.

 

REFORMA
A reforma administrativa que será feita pelo prefeito Vladimir Azevedo tem como principal objetivo garantir o fechamento das contas ao fim do seu mandato no ano que vem. Como não há mais onde cortar, o prefeito vai reduzir a equipe de ocupantes de cargos de confiança e disse que haverá cortes desde o primeiro escalão até as chefias de seção. Embora seja uma mexida importante no tabuleiro administrativo, a economia a ser gerada ainda ficará longe do necessário.O prefeito estima que as modificações na equipe administrativa, que serão feitas numa primeira etapa até o fim desse mês e, na segunda fase, até 31 de março, deverão gerar economia em torno de R$ 300 mil mensais. Ele disse que pretende cortar mais de 20% no cargos de confiança, podendo chegar a 30%.
Para Vladimir Azevedo, se for feita uma comparação com outros municípios, a estrutura de cargos comissionados em Divinópolis é adequada e isso dificulta, inclusive, modificações mais drásticas. “Nós não temos muita margem para mexer na estrutura comissionada, mas pela situação fiscal, nós não podemos esperar mais, pois não há perspectivas de melhora financeira para os municípios”, finalizou.
 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.