quarta-feira, 2 de Julho de 2014 07:35h Atualizado em 2 de Julho de 2014 às 07:39h. Jotha Lee

Gastos do município com folha de pagamento superaram os investimentos

Prefeitura fecha os primeiros quatro meses com déficit de R$ 79 milhões na execução orçamentária

Em recente entrevista concedida ao Jornal Gazeta do Oeste o prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), admitiu que a situação financeira do município ainda preocupa. “Ainda estamos com o sinal amarelo aceso”, disse ele. Entretanto, o prefeito vê a situação menos turbulenta do que no ano passado, quando a crise financeira atingiu o ápice, exigindo fortes medidas de contenção de despesas.
Para o secretário municipal de Fazenda, Antônio Castelo, a situação começa a se acomodar e não há nenhum motivo de preocupação com o alto déficit na execução orçamentária que vem sendo verificado desde janeiro. De acordo com o secretário, a partir do segundo quadrimestre, iniciado em maio, a tendência é estabelecer o reequilíbrio orçamentário.
Os dados financeiros oficiais relativos aos primeiros quatro meses do ano não são bons, mas apontam uma leve recuperação, conforme análise do secretário. Em janeiro, o déficit na execução orçamentária foi de R$ 104 milhões. Já em abril, ao fechar os quatro primeiros meses do ano, embora o município continue gastando muito mais do que a arrecada, o déficit caiu para R$ 79.122.358,37. Nesse período, a Prefeitura arrecadou R$ 160.310.307,14, enquanto os gastos atingiram R$ 239.432.665,51.
Esses dados constam do relatório de demonstração de receita e despesa que acaba de ser publicado pela Prefeitura. De acordo com o relatório, somente com a folha de pagamento, o município consumiu, no período de janeiro a abril, R$ 59.896.751,18. Essa quantia supera o valor investido em obras e serviços no mesmo período, que ficou em R$ 54.475.065,39.
Chamam a atenção, ainda, os altos gastos do município para manutenção da dívida pública. No período de janeiro a abril, a Prefeitura gastou R$ 4.145.552,61, somente para pagamento de encargos e juros da dívida. Para amortização da dívida pública, foram desembolsados R$ 5.425.316,90.
Para este segundo semestre, o prefeito, Vladimir Azevedo, prevê o aumento nos investimentos. Ele garante que é meta prioritária concluir obras inacabadas, especialmente para atendimento e expansão do sistema de saúde público. O prefeito garante, ainda, que vai investir na reforma de vários centros de saúde, além de serviços de infraetrutura e saneamento básico. Outra meta do prefeito é acelerar as obras do Centro Administrativo, que, segundo ele, é importante sob vários aspectos, especialmente administrativo e econômico.  

 

 

 

Crédito: Jotha Lee
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.