quinta-feira, 23 de Junho de 2011 19:56h Atualizado em 24 de Junho de 2011 às 10:33h. Flávia Brandão

Governo lança segunda etapa do PROMG na região de Formiga

Obras, orçadas em quase R$ 130 milhões, irão beneficiar municípios mineiros do Centro-Oeste, Centro, Sul e Zona da Mata

O Secretário Estadual de Transporte e Obras Públicas, Carlos Melles, esteve presente em Formiga, no Centro-Oeste mineiro, para assinar a ordem de serviço da segunda etapa do Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária de Minas Gerais (PROMG), na ultima quarta-feira (22). As obras, previstas para durarem até o final de 2015, irão investir R$ 128 milhões na melhoria e manutenção de 471,8 quilômetros de rodovias na região, beneficiando diretamente 24 municípios. “Nossa proposta é disponibilizar a rodovias estaduais e federais delegadas em condições tão boas quanto uma rodovia que fosse pedagiada. Para isso, além do PROMG, contamos também com outros programas, como o Pró-Acesso e também o Caminho de Minas, que tem previsão de atender cerca de 500 quilômetros só nessa região, algumas já licitadas e outras em fase de finalização”, explicou Melles.


A primeira etapa do PROMG em Formiga foi lançada em julho de 2006, prevendo melhorias em 350 quilômetros da região, com investimentos previstos na ordem de R$ 55,2 milhões. Estiveram presentes também, durante o evento, prefeitos de cidades da região, membros do Departamento de Estrada e Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) e representantes do Deputado Estadual Fabiano Tolentino (PRTB).


Segundo José Élcio, diretor geral do DER-MG, desde 2003, quando o PROMG teve início, foram pavimentados 19.367 quilômetros de rodovias (entre estaduais e federais delegadas) em todo o Estado e restam, ainda, 7.238 quilômetros a serem pavimentados. “Para se ter uma ideia, de toda a produção brasileira, 58% é transportada por rodovias e como Minas é o estado brasileiro com a maior malha viária, se faz mais do que necessário um maior investimento e uma maior atenção às nossas vias”, justificou, completando a informação de que entre 2003 e 2011, foram investidos R$ 7 bilhões na pavimentação de rodovias mineiras.


O PROMG é divido em três etapas: na primeira, que dura os primeiros quatro meses, a empresa ganhadora da licitação deve realizar uma recuperação preliminar nos trechos das rodovias inseridos no programa. A segunda etapa, que começa paralela a primeira e dura até o final dos primeiros 24 meses, a empresa deve realizar melhorias mais concretas, como pavimentação, duplicação, instalação de equipamento de pesagem e sinalização. Por fim, a terceira etapa começa a partir do 25 mês e dura até o final do 48º mês (quando o prazo do programa se encerra). Nesse período a empresa deve realizar uma conservação rotineira nas vias de sua responsabilidade. “É preciso lembrar que há padrões de desempenho que a empresa deve cumprir, sob pena de arcar com multa pelo descumprimento”, disse Élcio, explicando que atualmente um dos maiores vilões que diminuem a vida útil das rodovias são os caminhões com excesso de carga.


De acordo com o diretor do DER, um veículo com uma sobrecarga de 20%, reduziria a vida útil de uma rodovia pela qual trafegasse de 10 anos para somente 4 anos.Segundo dados do DER/MG, em 2003, 36% da malha viária mineira estava em estado bom, 32% regular e outros 32% ruim. Já em 2011, esse resultado mudou para 77% em situação boa, 19% regular e somente 4% ruim. A meta do órgão estadual é tentar zerar os trechos ruins até 2012, sem considerar os mais de 200 mil quilômetros de estradas vicinais espalhadas por Minas.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.