quinta-feira, 16 de Agosto de 2012 10:40h Gazeta do Oeste

Haddad usa resultado do Ideb para atacar Serra

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, usou o resultado abaixo da meta obtido pela rede municipal de ensino em São Paulo no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) como munição contra o candidato tucano, José Serra e seu vice, Alexandre Schneider (PSD), ex-secretário de Educação de Gilberto Kassab (PSD).

Segundo o Ideb de 2011, divulgado na terça-feira, 14, as escolas do município tiveram nota 4.8 ao final do 5º ano, ante uma meta de 4.9, e nota 4.3 ao final do 9º ano, também inferior à meta para o período, de 4.6. "A situação de São Paulo é preocupante, não podemos ficar parados", disse.

A solução apontada pelo petista para melhorar a educação municipal e superar a meta do Ideb até 2013 é a mesma que ele têm apresentado para os setores de transporte, moradia e saúde: realizar mais parcerias com o governo federal. Haddad prometeu trazer os programas Universidade Aberta do Brasil, que oferece cursos de pós-graduação a professores da rede pública, e o Mais Educação, para instituir o ensino integral nas escolas com pior desempenho.

No entanto, Haddad, que foi ministro da Educação do governo Lula se recusou a comentar as medidas em estudo pelo atual chefe da pasta, Aloizio Mercadante, para reverter a estagnação do ensino médio em todo o País, também apontada pelo Ideb. Mercadante propôs reduzir o número de disciplinas na grade curricular do ensino médio, que na sua opinião é muito extensa, e desenvolver incentivos para os alunos que estudam no turno da noite. "Não posso comentar, vou me ater ao que eu pretendo fazer em São Paulo", disse o candidato.

A secretaria municipal de Educação, por meio de nota, afirmou que ainda não recebeu os dados oficiais do Ideb, mas afirma que a rede municipal de educação está crescendo "de forma sólida", o que revelaria "o acerto de suas políticas". 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.