quinta-feira, 1 de Agosto de 2013 07:34h Atualizado em 1 de Agosto de 2013 às 11:40h. Carla Mariela

IDHM divulgado pela ONU aponta Divinópolis em 21ª posição em Minas Gerais e 304ª no Brasil

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) é divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Recentemente, dados apresentados referentes a este índice apontaram que Divinópolis está ocupando a 304ª posição, em relação aos 5.565 municípios do

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) é divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Recentemente, dados apresentados referentes a este índice apontaram que Divinópolis está ocupando a 304ª posição, em relação aos 5.565 municípios do Brasil, sendo que 303 municípios estão em situação melhor e 5.262 estão em situação igual ou pior. Dentre os 853 municípios mineiros, Divinópolis está ocupando a 21ª posição.

De acordo com Antônio Faraco o resultado de Divinópolis expressa uma situação de alto nível de desenvolvimento social. Ele esclareceu que os IDHM de Divinópolis para o ano de 2010 é de 0,764. Comparando os índices de desenvolvimento humano municipal anteriores, corrigidos pela nova metodologia aplicada pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento): em 1991 o IDHM de Divinópolis foi 0,535. Em 2000, o IDHM foi corrigido para 0,686 e em 2010 para 0,764. “Houve uma evolução do IDHM no município ao longo dos 20 anos da ordem aproximadamente de 48% comparando 2010 com 1991”, explicou.
Ainda segundo Faraco, a nova metodologia é mais rigorosa, dando atenção para a educação. Além de serem considerados os anos de estudos, a escolaridade dos cidadãos da cidade, também passou a ser considerado o fluxo das pessoas no ensino, ou seja, quantas pessoas estão em idade escolar e quantas pessoas em idade escolar estão frequentando a escola (de 5 a 6 anos, de 10 a 11 anos, de 15, 16, 17 anos, depois de 18 a 20 anos). “Essa nova metodologia deu mais peso a educação, por isso o número desta área no caso de Divinópolis quando se analisa as três variáveis que compõe o IDH, que é a renda, a longevidade e a educação; a educação foi o menor com 0,702, a longevidade foi o maior com 0,844”, destacou.
Para o secretário de governo, a educação caiu na verdade para o Brasil, para o estado de Minas Gerais e para todos os demais municípios, devido ao maior rigor da nova metodologia na variável educação. Ele enfatizou que devido a essa readequação metodológica é que o IDHM em Divinópolis no item educação foi o mais baixo.
Entretanto, Faraco esclareceu que é importante destacar também que o IDHM de 2013, utiliza os dados do censo de 2010, nos quais seria razoável concluir que as mudanças, são no período de 2000 e 2010. “Em 2000 tivemos o penúltimo IDHM divulgado e um novo IDHM de 2010 divulgado em 2013. Nesse intervalo ocorreram mudanças que foram registradas pelo censo e os dados do censo analisado pelo Pnud que é o órgão da ONU responsável pela elaboração do IDHM refletindo nesse indicador”, disse.
Questionado se o 21º lugar que Divinópolis ocupou é satisfatório, Faraco, afirmou que o governo em conjunto com a sociedade deve buscar sempre fazer mais, e sempre buscar uma posição mais destacada e melhor. O secretário finalizou dizendo que se observarmos a lista de municípios mineiros e o número do IDHM, percebe-se que Divinópolis realmente faz parte do conjunto de municípios que desfrutam de um alto padrão de desenvolvimento social. Ele citou um exemplo, abordando que se no quesito educação, a cidade ficou com o índice 0,702 na 304ª posição, houve municípios que ficaram com esse mesmo índice na educação, porém na 28ª posição, o que diferenciou o status foi o quesito de longevidade, o qual o índice foi mais do que o de Divinópolis. “Divinópolis faz parte dos municípios que desfrutam de um alto padrão de desenvolvimento social. É exatamente essa a interpretação que esse número que foi atribuído à cidade, permite concluir”, finalizou.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.