quarta-feira, 18 de Setembro de 2013 07:05h Carla Mariela

Implantação de escola municipal de dança em Divinópolis ainda causa transtornos

O ofício encaminhado por meio do advogado, Robervan Faria, ao presidente da câmara, é para a substituição da comissão por quebra da imparcialidade do vereador, Marcos Vinícius. Para o parlamentar, o advogado é atuante, exatamente pela sua participação pel

O advogado, Robervan Faria, que é contra a implantação da escola municipal em Divinópolis, projeto que foi anunciado pelo secretário de Cultura do município, Bernardo Rodrigues, após participar de encontro junto à comissão de justiça da câmara instaurada para apurar as denúncias envolvendo a escola; fez um ofício ao presidente da câmara, Rodyson Kristnamurti (PSDB) para substituição da comissão por quebra da imparcialidade do vereador, Marcos Vinícius (PSC), que é presidente da comissão.


O documento foi lido no plenário da casa legislativa, ontem, pelo 1º secretário da mesa diretora, Edimar Máximo (PHS). Ao ter conhecimento sobre o ofício, o parlamentar Marcos Vinícius, relatou que possui um apreço, uma afeição, uma admiração pelo advogado Robervan Faria, mas o fato dele ter encaminhado o ofício para a câmara solicitando a substituição da comissão, este ato o causa estranheza.


Para Vinícius, o advogado é um dos mais concorridos e respeitados em Divinópolis. Segundo o parlamentar, ele é atuante, exatamente pela sua participação pelo engajamento na vida social das pessoas. “O advogado é presente nas discussões das causas mais importantes da cidade, como por exemplo, nesta questão da implementação da escola municipal de dança. Acredito que a participação do advogado foi fundamental para trazer aclaramentos, explicações e quem sabe até correções já que a prefeitura municipal tem agora falado que não será só uma escola municipal, mas sim núcleos de uma escola municipal. De acordo com o secretário de Cultura serão mais de quatro núcleos”, afirmou.


Ainda conforme o vereador, ele fica espantado quando o advogado faz alguma alusão de imparcialidade ou de certo favorecimento ou algum procedimento que não seja o mais adequado por parte da comissão. Segundo Vinícius este ato do advogado, ele vai refutar terminantemente, pois para ele, é de direito o advogado pensar dessa forma, mas é direito dele como vereador e presidente da comissão também pensar de maneira completamente diferente do que foi apresentado no ofício. “A apresentação do ofício não tira o nosso respeito pelo advogado, mas o relatório da comissão já está concluído, as informações que foram prestadas tanto pelo vice-prefeito como pelo secretário de Cultura foram satisfatórias. A prefeitura anunciou que não haverá qualquer favorecimento para ninguém, muito menos para a Cristina Helena, professora citada tanto no anúncio do projeto, como nas denúncias. Ela pode participar como qualquer outra pessoa interessada. Diante do que foi colocado pelo secretário e vice-prefeito, não haverá prejuízos ao princípio da impessoalidade. Nós estamos tranquilos, o relatório já foi apresentado hoje terça-feira, somente não foi apresentado durante reunião ordinária por falta de tempo regimental, mas na próxima reunião faremos leitura deste relatório”, informou.   
Uma cópia do relatório final da comissão sobre as análises da implantação da escola municipal de dança em Divinópolis, de acordo com Marcos Vinícius, será encaminhada para o advogado Robervan Faria.
O presidente da câmara, Rodyson Kristnamurti, enfatizou que como presidente ele é guardião do regimento interno. Ele não pode opinar nem para A e nem para B. “Como foi o Marcos Vinícius junto com a comissão que fez todas as oitivas para esse fechamento do relatório; dentro do que eu li, o parecer jurídico da procuradoria da casa junto com o vereador é que não há nenhuma irregularidade”, informou.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.