quinta-feira, 23 de Maio de 2013 06:14h Atualizado em 23 de Maio de 2013 às 06:16h. Erik Ullysses

Incêndio destrói deposito de lixo hospitalar clandestino em Divinópolis

Empresa não tinha autorização da prefeitura para descarregar resíduos hospitalares no local. O Corpo de Bombeiros foi acionado ao local e apagou as chamas. As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas

Durante a manhã de ontem um deposito clandestino de lixo hospitalar pegou fogo no bairro Centro Industrial, em Divinópolis. A empresa de tratamento de resíduos não tinha alvará da prefeitura para descarregar lixo no local. O Corpo de Bombeiros foi acionado ao local para poder conter o incêndio. Os trabalhos para conter as chamas demandaram um tempo maior, já que inicialmente foi preciso estudar o local para saber se a água em contato com o lixo não contaminaria o solo da região, uma vez que os materiais são tóxicos. Pessoas ligadas à secretaria de Meio Ambiente também estiveram no local.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, já haviam sido registrados incêndios nas proximidades outras vezes. O sargento Gilson Lucas explicou que por duas vezes bombeiros militares compareceram ao local, mas a dificuldade em falar com o proprietário da empresa responsável vem dificultando os trabalhos dos bombeiros. “Essa ocorrência teve início no dia 20, na terça-feira teve uma equipe nossa aqui novamente. E a dificuldade em localizar o proprietário responsável pela empresa é o que vem dificultando nosso trabalho” afirmou.

De acordo com a Vigilância Sanitária, o depósito foi descoberto há pouco tempo e medidas foram tomadas para impedir que o lixo continuasse sendo depositado no local. Os lixos descarregados no lote são de hospitais de cidades da região Centro-Oeste do estado, não tendo nenhum de Divinópolis. Erson Ribeiro Guimarães, fiscal da Vigilância Sanitária, explicou que a empresa chegou a utilizar inicialmente um espaço que ficava abaixo de onde pegou fogo para fazer o depósito do lixo. Como a prefeitura acabou tomando ciência da irregularidade, a empresa tentou se normalizar, mas não atendeu às necessidades exigidas e não conseguiu o alvará de funcionamento. A empresa então se retirou do lote onde funcionava. No entanto, no dia 01 de maio a Vigilância Sanitária flagrou caminhões da empresa descarregando mais lixos hospitalares em um novo endereço (o local onde pegou fogo).

Erson garantiu que foram tomadas todas as medidas necessárias para que novamente a empresa parasse de depositar os resíduos no lote. A Polícia Militar foi acionada, foi registrado um Boletim de Ocorrência e a denúncia foi encaminhada para o Ministério Público. De acordo com ele, os caminhões foram liberados mediante ao compromisso de que os materiais fossem depositados em um local que fizesse o tratamento correto do lixo em São Paulo. Mas os lixos já depositados continuaram no local e na manhã de ontem acabaram se incendiando.
No momento em que o fogo teve início estava no lote apenas um funcionário da empresa. João Aparecido não quis gravar entrevistas, mas afirmou que trabalhava no local há cerca de seis meses. Ele contou que o incêndio teve início no lote ao lado e acabou passando para o depósito. O sargento Gilson

Lucas afirmou que ainda não é possível precisar se as informações repassadas pelo funcionário são verdadeiras ou se o fogo teve início na própria empresa, já que vários lotes em volta estavam queimados. “Ele (o funcionário) não me falou exatamente qual foi a ação dele aqui. Ele me relatou apenas que acompanhou desde o início o fogo, que foi em um lote  vago ao lado dessa empresa e que o mesmo teria passado o lote e se espalhado pelo lixo. Nós temos uma ocorrência policial também acerca destes fatos aqui para poder investigar melhor. Para que se possa definir de onde veio o fogo realmente. A gente consegue visualizar que há realmente lotes vagos e estes lotes também estão queimados. Então não há como precisar neste momento de onde o fogo veio, de onde surgiram as chamas” declarou o sargento.

Para poder apagar o incêndio o Corpo de Bombeiros precisou contar com um trator enviado pela prefeitura.

O trator foi utilizado para retirar o lixo e remexer de forma profunda os montes que estavam acumulados no local. A empresa deveria mandar o veículo, mas não o fez. “Com o apoio da prefeitura, que nos enviou uma máquina, foi possível remover e movimentar este lixo que estava pegando fogo lá, assim controlamos as chamas. Porque o fogo estava bem profundo e sem uma máquina nós não conseguiríamos apaga-lo, controla-lo superficialmente não resolveria o problema. Desta forma acabamos com o incêndio” concluiu.

A empresa de tratamento de resíduos é da cidade de Poços de Caldas. Nossa reportagem tentou entrar em contato com o proprietário, mas os telefonemas não foram atendidos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.