segunda-feira, 30 de Junho de 2014 07:31h Atualizado em 30 de Junho de 2014 às 07:36h. Jotha Lee

Indústria na região enfrenta crise e presidente da Fiemg Regional prevê mais dificuldades

O setor industrial na região Centro-Oeste do Estado está enfrentando uma séria crise com aumento nas demissões e queda na produção.

As dificuldades foram sentidas em Divinópolis no mês de maio, conforme mostram os dados divulgados no início da semana pelo Ministério do Trabalho, através do Cadastro Geral de Empregos. Em maio, Divinópolis sofreu redução de 0,02% na abertura de novas vagas de emprego e a indústria de transformação, com 78 demissões, foi o setor que mais contribuiu para o saldo negativo.
O presidente da Regional Centro-Oeste da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Afonso Gonzaga, está preocupado com o atual quadro e ao mesmo pessimista quanto ao futuro. Divinópolis, cujo setor industrial predominantemente é conduzido pelo setor de metalurgia, está sofrendo com a redução nas exportações de ferro gusa, além da baixa verificada no mercado nacional para produtos de maior consumo interno. “O setor de ferro gusa continua em dificuldades porque o mercado internacional não reagiu”, garante Afonso Gonzaga.
O presidente da Fiemg Regional diz que os meses de janeiro e fevereiro foram bons para a indústria na região, mas nada acima da expectativa. Segundo ele, já nos meses seguintes a situação piorou consideravelmente. “Abril e maio foram péssimos. Nesses dois meses a indústria regional sofreu uma redução de 30% no volume produzido”, afirma.
A indústria de transformação tem 13 segmentos produtivos no Centro-Oeste, porém, o setor metalúrgico é o mais afetado pela queda na atividade, atingindo especialmente a produção de ferro gusa, aços longos, alumínio e todo o setor de fundição. Em Divinópolis, o Centro Industrial é o retrato da crise, com várias fundições inativas. No município, várias siderúrgicas também paralisaram totalmente ou reduziram a produção. A Ferdil foi a última empresa do setor siderúrgico a encerrar atividades e, há um mês, demitiu 100 metalúrgicos.
Nos últimos anos, as exportações do setor metalúrgico na região Centro-Oeste sofreram redução de quase 150%. Segundo Afonso Gonzaga, em 2002, a região exportou U$ 180 milhões. Já em 2008, as exportações regionais atingiram a marca de U$ 1,4 bilhão. Entretanto, a partir daí iniciou uma curva descendente e, no ano passado, o volume exportado ficou em U$ 600 milhões.
O presidente da Fiemg Regional estima que a partir de julho o setor industrial deverá sentir leve recuperação, entretanto, alerta que essa previsão se dá pelos dados históricos. “Estamos calculando uma melhora a partir de julho, mas não se trata de nenhuma previsão baseada em dados econômicos concretos e sim porque, historicamente, o setor industrial tem bom desempenho nos meses de julho, agosto e setembro”, finaliza.

 

 

 

Crédito: Arquivo/GO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.