quinta-feira, 26 de Novembro de 2015 08:57h Atualizado em 26 de Novembro de 2015 às 08:59h. Jotha Lee

Início da construção da Estação de Tratamento de Esgoto do Itapecerica fica para meados do ano que vem

Prefeitura teme que a obra não seja concluída até o final de 2016, como prevê o contrato

O início da obra da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) a ser construída pela Copasa no Rio Itapecerica vai ficar para o ano que vem. O contrato de concessão do esgoto assinado entre a Prefeitura de Divinópolis e o governo de Minas deu à Copasa 30 anos de concessão do serviço e a companhia está com o cronograma de obras atrasado. Existe o temor de que a obra não seja finalizada até o final do ano que vem conforme prevê o contrato. Essa possibilidade ficou ainda mais viva depois que a companhia confirmou que a obra da ETE do Rio Itapecerica pode começar somente em meados de 2016.
Na semana passada o vice-prefeito Rodrigo Resende (PDT), titular da Superintendência Usina de Projetos, se reuniu com a direção da Copasa em Belo Horizonte. Na ocasião ele foi informado que a Acciona, empresa espanhola vencedora da licitação feita pela Copasa para a Parceria Público-Privada que vai construir a ETE, começará a obra efetivamente entre abril e maio do ano que vem. “A Copasa nos mostrou o cronograma de obras e o contrato firmado com a Accioma que diz que as obras podem começar entre abril e maio do ano que vem. A Copasa tem um contrato com a prefeitura que determina que ela tem que entregar o sistema funcionando em dezembro de 2016”, informou.
Rodrigo Resende teme que esse cronograma não seja cumprido, já que a obra da ETE é a maior de todo o sistema. “Se a Copasa não entregar a obra no prazo determinado dá margem para pedir a rescisão do contrato. A preocupação nossa hoje é que ela [Copasa] cumpra o contrato e faça o tratamento do esgoto”, garantiu. “Estamos pressionando a Copasa para que ele comece as obras, no mínimo, em fevereiro. Se começar em fevereiro, ela consegue cumprir o cronograma. O que ela não pode é começar isso em maio, aí você não sabe o que vai acontecer, quando chegar dezembro a gente não está com isso pronto”, acrescentou.
O vice-prefeito disse ainda que a questão ambiental já está praticamente resolvida. “A Copasa já está com todas as licenças ambientais praticamente prontas. O que ela ainda não tem é a licença ambiental no local onde será construída a ETE, mas isso já está sendo providenciado”, assegurou. Rodrigo Resende garantiu que a prefeitura está cumprindo rigorosamente sua parte no contrato. “Se a Copasa começar a obra em maio, ela não termina a construção da ETE no ano que vem. O que a Copasa precisa fazer é cumprir a parte dela no contrato”, finalizou

 

A OBRA
A Acciona, empresa espanhola que venceu a concorrência da PPP para a construção da ETE do Rio Itapecerica está no Brasil desde 1996 e tem um quadro de pessoal com mais de três profissionais em todo o país. Segundo a empresa, o projeto da ETE estima investimento de 97 milhões de euros ou R$ 420 milhões.
A Acciona venceu a licitação para a gestão integral do sistema de saneamento de Divinópolis e em parceria com as empresas locais GEL Engenharia e FB Participações - realizará o projeto, com a construção e a implantação de duas estações de tratamento de águas residuais, 16 estações de bombeamento do sistema e a construção das redes de coletores de águas residuais da cidade, e se encarregará de sua operação e manutenção nos próximos 26 anos.
A maior planta programada,  que é a ETE do Rio Itapecerica, com capacidade inicial de 400 litros por segundo e previsão de ampliação ao longo do período da concessão até alcançar 600 litros por segundo, prestará serviços a uma população de 228,6 mil habitantes. Além disso, as instalações terão 67,8 quilômetros de rede de esgotos e 6,1 quilômetros de coletores.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.