sexta-feira, 13 de Setembro de 2013 06:54h Atualizado em 13 de Setembro de 2013 às 08:42h. Carla Mariela

Irregularidades

Kaboja discorda de relatório final do “Programa Minha Casa Minha Vida”

O relatório final sobre as irregularidades do “Programa Minha Casa Minha Vida” que teve sua leitura iniciada durante reunião na terça-feira e finalizada no encontro legislativo de ontem na Câmara municipal de Divinópolis, pelo presidente da comissão especial, Adair Otaviano (PMDB), trouxe surpresas relacionadas aos membros da comissão. O vereador Rodrigo Kaboja (PSL), um dos membros, depois que Otaviano terminou de ler o relatório, discordou do que estava inserido no documento.
De acordo com o Kaboja, “a comissão é irresponsável, porque no relatório não há indícios, não há provas, não há números de páginas, as informações são incorretas, há somente denúncias vazias e perigosas na documentação”.
Segundo ele, a comissão não esteve nem na Usina de Projetos. O vereador explicou que na Usina existem todas as pastas de todos os processos do programa e que ele não pode concluir um trabalho de tamanha importância na base do “achismo”. “É lógico que no programa há algumas coisas erradas, mas não é por causa da Usina de Projeto, porque na Usina há todas as pastas, com o horário que a pessoa chega e o horário que ela sai, com documentos do cadastro da prefeitura, do cartório de imóveis. Isso é uma coisa séria. Agora, não podemos concordar com invasores, com algumas pessoas que estão sendo citadas no relatório, são pessoas que invadiram, na qual a Polícia Federal junto com o Poder Judiciário as retirou de lá. Não podemos jogar o nome da administração municipal no lixo com inverdades”, destacou.
Kaboja ainda questionou como se concluiu um relatório através de denúncias que não foram verificadas, chegando-se ao ponto de relatar que “algumas foram confirmadas e outras não”, descrito dessa forma no relatório.
Para o vereador, para cada denúncia não houve um estudo do caso para apuração legítima dos fatos e todos devem conter relatório de visitas domiciliares com assinatura do beneficiário e testemunho. Ele ainda informou que a Caixa Econômica Federal está negociando com a Funedi para contratação de uma equipe a qual realizará o levantamento nos três conjuntos habitacionais denunciados (Copacabana, Vila das Roseiras e Elizabeth Nogueira) para tomar providências cabíveis. Como o tempo foi curto, o vereador disse que na próxima reunião ele mostrará que está correto por meio de novas informações.

Adair Otaviano
Diante as refutações vindas por parte do Kaboja, o presidente da comissão Adair Otaviano, enfatizou que na realidade a comissão iniciou os trabalhos e com o andamento das tarefas houve uma desvinculação da comissão.
Para, Otaviano, o vereador Kaboja tem todo direito de não concordar com relatório, uma vez que realmente ele não assinou, mas que ele junto com o Edimilson Andrade (PT), também membro da comissão, realizaram um trabalho constante, apresentando um relatório não de acusação e sim de levantamentos de denúncias. “Tem algumas denúncias que a pessoa não quis se identificar, mas que a comissão tinha que dar ouvido; às vezes acontece isso, da pessoa querer denunciar, mas não querer aparecer. E tem denúncias ali com o nome e assinatura, CPF e identidade. A comissão fez um trabalho sério, fomos desrespeitados pela Caixa Econômica Federal, porque a princípio solicitamos a Caixa alguns documentos e a Caixa recusou de nos passar. Foi possível pegar o documento só depois que a comissão pediu para o presidente da Câmara que fizesse o pedido a Caixa. Eu não podia deixar de criticar uma atitude desta no relatório; e nem deixar de criticar o Executivo”, desabafou.
Conforme Otaviano, não houve condenações de ninguém no relatório, ele junto com Edimilson Andrade mostrou que há indícios de irregularidades no programa. “Conseguimos verificar algumas denúncias e outras não. Verificamos que tem várias casas vendidas, alugadas, mas ao chegarmos aos conjuntos denunciados, tivemos a dificuldade de falar com o proprietário, ou quando conseguimos falar, a pessoa nos apresentava o documento da proprietária original que está no sistema da Caixa. O que nós queremos com estes levantamentos é que a Polícia Federal, que tem competência para investigação, possa investigar diante daquilo que estamos mostrando para eles. Cada um dos membros recebeu a cópia do relatório, para ler e concordar ou não. Fiz algumas alterações no relatório, mas não sou obrigado a fazer a pessoa concordar, mas a comissão é composta por três e dois membros concordam com o mesmo relatório”, destacou.

Edimilson Andrade
O vereador Edimilson Andrade, disse que foram constatados vários problemas no programa, que o relatório não está punindo ninguém e não tem como a comissão sair em aproximadamente mil casas, nesse sentido, a comissão passará o relatório final para os órgãos competentes fiscalizar.

Chefe do Legislativo
O presidente da Câmara, Rodyson Kristnamurti (PSDB), solicitou que o presidente da comissão Otaviano junte todos os documentos e na próxima terça-feira, Kaboja apresente outro relatório, para que ele como presidente saiba regimentalmente qual atitude tomar.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.