terça-feira, 22 de Dezembro de 2015 09:25h Atualizado em 22 de Dezembro de 2015 às 09:28h. Jotha Lee

Jaime Martins pode mudar de partido para concorrer ao governo do Estado

Deputado admite estudar convites para mudança de partido e acena filiação à Rede

Depois de presidir na semana passada em Brasília a reunião da Comissão Mista de Orçamento, que aprovou o relatório final do projeto de lei orçamentária da União para 2016, o deputado federal Jaime Martins (PSD) passou o final de semana em Divinópolis e visitando suas bases eleitorais na região. Ontem ele esteve em Carmo do Cajuru, onde iniciou as discussões para implantação de um hospital público naquela cidade e, à tarde, participou do lançamento do Colégio Tiradentes em Divinópolis.
Preocupado com o cenário nacional, o deputado fez duras críticas ao cabo de guerra que hoje se verifica em Brasília e defende mudanças imediatas na política nacional. Reafirmou que o deputado carioca Eduardo Cunha (PMDB) não tem mais condições de continuar presidindo a Câmara e não se posicionou favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas disse que mudanças são necessárias e urgentes.
Quanto à política doméstica em Divinópolis, o deputado não confirmou a afirmação feita pelo pré-candidato à sucessão do prefeito Vladimir Azevedo, o atual vice Rodrigo Resende (PDT). Em entrevista ao Gazeta do Oeste, Resende assegurou que já tem o apoio do deputado Jaime Martins para sua candidatura à sucessão municipal. Entretanto, o deputado federal tem outro posicionamento sobre as eleições municipais de 2016. Garantiu que ainda não tem uma posição definida e só vai pensar no assunto depois da Semana Santa. “Vamos fazer uma reflexão sobre isso depois da virada do ano, depois do carnaval. Depois da semana santa a gente vai ter um cenário mais claro. Tivemos um ano de muita turbulência e antecipar o processo sucessório não interessa a ninguém. Não podemos passar o tempo todo só pensando em eleição após eleição. Temos que nos concentrar no sentido de buscar soluções para os muitos problemas que temos”, garantiu.
Jaime Martins garantiu que uma de suas preocupações no momento é o Hospital São João de Deus. “A situação continua mito difícil e o hospital continua no CTI. São necessárias ações urgentes para salvá-lo. A gestão do hospital não tem conseguido se articular de forma adequada para fazer esse enfrentamento”, criticou. “Eu reconheço o trabalho e o esforço dos promotores Ubiratan Domingues e Sérgio Gildin, mas a verdade é que isso ainda não foi suficiente. Existe um desentendimento interno, o próprio corpo clínico tem dificuldades de confiar na gestão e existe claramente uma divergência entre a Secretaria de Saúde do Estado e a direção do hospital. A Secretaria quer investir mais, mas quer que a contrapartida do hospital seja o crescimento do serviço, ou seja, a retomada da normalidade assistencial”, assegurou.

 

GOVERNADOR
Ainda no campo político, o deputado admitiu que recebeu um convite para filiar-se à Rede, partido recém fundado pela ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. O deputado assegurou que, além da filiação, o partido também ofereceu a possibilidade de colocar seu nome como candidato ao governo do Estado. “Eu fui convidado para fazer esta filiação, como também fui convidado por outros partidos. Me ofereceram não só a possibilidade de filiação, mas também a possibilidade de disputar a eleição para o governo do Estado. É uma avaliação que vamos fazer, é possível que tenha uma janela no mês de fevereiro. Vamos avaliar, conversar com correligionários e, por outro lado, eu estou tranquilo no meu partido, não tenho assim nenhum desejo de sair. Vou buscar primeiro o diálogo interno dentro do meu partido, mas vejo a rede com muitos bons olhos, como uma alternativa para o Brasil. Uma mensagem nova, diferente, que sai do lugar comum, sai da mesmice. É talvez a única opção que saia da mesmice”, finalizou.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.