quarta-feira, 14 de Agosto de 2013 06:27h Carla Mariela

Jaime Martins pronuncia sobre planos futuros para este 2º semestre de 2013

O deputado federal, Jaime Martins (PR/MG), em entrevista a Gazeta do Oeste, falou acerca dos planos para o 2º semestre,após a volta do recesso parlamentar. Conforme o deputado há uma preocupação com os investimentos da Universidade Federal de São João Del

O deputado federal, Jaime Martins (PR/MG), em entrevista a Gazeta do Oeste, falou acerca dos planos para o 2º semestre,após a volta do recesso parlamentar. Conforme o deputado há uma preocupação com os investimentos da Universidade Federal de São João Del Rey. Ele ressaltou que está com um plano ambicioso de investimentos para a universidade de Divinópolis.


De acordo com Martins, a instituição planeja investir a curto prazo mais de R$ 10 milhões. Além da universidade, o parlamentar destacou seu trabalho em prol do Cefet. Segundo ele, há um trabalho para que não falte recursos ao Cefet. “Estamos com um prédio em construção com salas de aulas e laboratórios. Vamos construir um ginásio poliesportivo no Campus que é uma das necessidades que nós temos. Há também uma série de obras complementares que estão sendo realizadas, exemplo disso: o teatro, o auditório e obras que darão condições para a criação de cursos”, enfatizou.


O deputado ainda acrescentou que o Cefet está dependendo muito de professores e que ele como parlamentar está atento à questão do governo para não deixar faltar professores efetivos na instituição. “Essas são algumas das nossas preocupações mais imediatas em relação aos investimentos das instituições públicas federais de ensino em Divinópolis”, ressaltou.


O processo de estadualização do Inesp está sendo outra situação que Martins acompanha. Ele disse que está feliz com a aprovação da lei na Assembleia. O deputado abordou que seu pai como deputado estadual constituinte votou pela criação da universidade estadual de Minas Gerais e que ele dando sequência, desde então, vem trabalhando para que este processo de estadualização se concretize. 


Outra luta vinda por parte do deputado é referente ao projeto trem bala. Recentemente, a agência Brasil, publicou que o governo decidiu adiar em um ano a primeira etapa do leilão do trem de alta velocidade (TAV), que deverá ligar as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas. A entrega das propostas estava prevista para sexta-feira (16), e o leilão estava marcado para o dia 19 de setembro.

Ainda conforme informações da agência, o ministro dos transportes, César Borges, disse que após conversas, houve o sentimento que o certame caminhava para apenas um participante e os outros prováveis concorrentes solicitaram o adiamento do processo para finalizar entendimentos entre todos que fariam parte desta fase inicial de elaboração do projeto. Segundo o ministro, a previsão para início da operação do trem em 2020 está mantida.


Desde 2010, quando foi lançado pela primeira vez, o leilão do trem bala já foi adiado duas vezes a pedido das empresas interessadas em participar da disputa. A primeira data da licitação foi dia 16 de dezembro de 2010. Depois o leilão passou para 29 de abril de 2011 e foi remarcado novamente para o dia 29 de julho de 2011. Nessa última data, o leilão chegou a ser aberto, mas não recebeu propostas. Depois disso, o governo decidiu dividir a licitação em duas etapas: a primeira vai definir o operador do trem bala e a tecnologia a ser usada, e a segunda vai contratar a infraestrutura do projeto.


Em entrevista anterior, Jaime Martins, havia dito que os projetos de mobilidade devem ser segundo ele, integrados. Martins é favorável que as grandes cidades tenham projetos de mobilidade urbana. Conforme o parlamentar é necessário que haja uma estrutura, um planejamento, para propiciar os transportes públicos.


Ele destacou que o metrô de São Paulo e do Rio de Janeiro são privatizados, mas que embora seja assim são meios de condução que precisam ser melhorados e ampliados. “Se a China pode ter transporte de qualidade, bem como os Indianos, porque o Brasil não pode ter também? Por isso acho que este debate deve ser mais aprofundado. Existe uma fonte de recurso para um determinado projeto que é diferente da fonte de recurso que é destinado para outro. Não conformo com solução de 2ª categoria, o Brasil precisa de transporte de qualidade seja para o trabalho, ou para o lazer. Existe uma demanda grande entre Rio de Janeiro e São Paulo e a solução para esta deve ser integrada”, salientou.


O deputado entende que a solução deve ser dada a princípio no Rio de Janeiro e São Paulo e depois se estender para Belo Horizonte e Curitiba. Ele defende ainda o debate mais amplo do projeto do trem bala.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.