terça-feira, 17 de Julho de 2012 14:48h Carla Mariela

Jaime Martins ressalta como está a situação do HSJD em Divinópolis

Ontem pela manhã, em entrevista a Rádio Minas, o Deputado Federal Jaime Martins, explicou como está o andamento da situação financeira do Hospital São João de Deus.

Ontem pela manhã, em entrevista a Rádio Minas, o Deputado Federal Jaime Martins, explicou como está o andamento da situação financeira do Hospital São João de Deus. Conforme, Jaime Martins, após algumas reuniões com a direção do hospital e com a presença de outras lideranças políticas, a instituição, já está recebendo os recursos necessários para que não tenha as suas portas fechadas, não terá demissões em massas e sim um corte em alguns custeios.

 


O Hospital São João de Deus fez o pedido de socorro, e segundo o Deputado, o seu trabalho na frente parlamentar, está apoiando o HSJD, para que ele continue desenvolvendo o seu trabalho em prol da saúde. “A minha história com o Hospital São João de Deus é uma história antiga e eu procuro sempre ao longo dos meus mandatos defender essa instituição, pois entendo que é uma das mais importantes da nossa região. É um hospital que gera oportunidade de emprego, sendo que todos ali, trabalham no sentido de salvar vidas”, relatou.

 


Jaime Martins detalhou que a área da saúde no geral está debilitada e que precisa de muitos investimentos e de melhorias. Para ele, a região Centro-Oeste é a pior região do Estado na relação ao leito do SUS por habitante que se agrava mais ainda quando esse número de leitos e UTIs por número de habitantes são avaliados. Mas, segundo Jaime, apesar de todas as dificuldades, o Hospital São João de Deus ainda é a porta da esperança para o cidadão divinopolitano e que ele está sendo parceiro, tentando buscar e repassar recursos, além de destinar as verbas orçamentárias.

 


“Não é uma peculiaridade do Hospital São João de Deus, pois é a situação das Santas Casas no Brasil inteiro. A Santa Casa de Belo Horizonte, está levando o seu prédio a leilão. O hospital São Lucas que faz parte da Santa Casa, também está com seu prédio com a possibilidade de ser levado a leilão, por causa de ações de cobranças de credores. A situação das Santas Casas e dos hospitais filantrópicos no Brasil é muito difícil, uma vez que você tem um custo de tratamento de saúde muitas vezes elevado. A necessidade de medicamentos muitas vezes é cara. O próprio trabalho dos serviços médicos também não é barato e os custos para os serviços de baixa e de média complexidade, realmente não remunera o custo que existe”, destacou.

 


De acordo com o Deputado Federal, foram feitas algumas reuniões no São João de Deus, sendo que a última, o novo gestor do hospital, apontou os problemas. “O novo gestor nos mostrou que a instituição tem um déficit de mais de R$70 milhões junto a credores e fornecedores. Eu acho que apesar de tudo, o hospital vai sobreviver sim. Nós estamos fazendo a nossa parte, nós estamos destinando um valor em torno de R$ 10 milhões de reais em termo de emendas de recursos federais para o hospital. A primeira delas foi R$ 2 milhões destinados à duplicação do hospital do câncer, tanto que nós conseguimos fazer em Divinópolis, o primeiro hospital de câncer do Brasil dentro da nova modelagem dos centros de alta complexidade de ancologia. Os equipamentos precisavam ser renovados e além do mais, já não conseguia atender a demanda. É preciso de uma ampliação no número de atendimentos”, declarou. 

 


Jaime Martins esclareceu que a alta complexidade de ancologia permite que haja um saldo positivo e que esse tipo de serviço é aquele que o SUS paga melhor. Portanto, existe uma sobra que vai ajudar a manter o custeio de outras áreas do hospital. “Além da sobra, estamos destinando recursos para a construção do CTI. Um dos encontros com a Secretaria do Estado, com a direção do hospital e com outras autoridades políticas, resultou num convênio de três milhões e oitocentos do Estado para ampliação de leitos do CTI. Estou destinando R$ 3 milhões do Governo Federal para ser aplicado na UTI e assinei mais R$ 1,5 milhão nesse ano, de verbas orçamentárias. Estaremos a partir de agosto estudando o orçamento do ano que vem e continuaremos ajudando. Para acessar esses recursos é importante que ele esteja com as suas certidões e tributos em dia, pois esta é uma dificuldade que o hospital está tendo. Estou esperançoso pela qualidade do novo diretor que tem tomado as providências no sentido de cortar custos, mas não que vai fazer demissões em massa. Que o hospital possa superar essas dificuldades e continuar sendo essa entidade tão importante para Divinópolis”, finalizou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.