sexta-feira, 18 de Maio de 2012 10:35h Atualizado em 18 de Maio de 2012 às 10:50h. Carla Mariela

Jaime Martins se reune com Ministro Pimentel

O encontro teve como objetivo defender os setores calçadista e moveleiro

Ontem, pela manhã, foi realizada uma reunião em Brasília, entre o Deputado Federal, Jaime Martins (PR), o Ministro Fernando Pimentel, e integrantes da Frente Parlamentar em defesa dos setores coureiro-calçadista e moveleiro. O encontro serviu para que em conjunto eles pudessem tomar medidas de incentivos ao setor produtivo, revisão da política tributária, ações dentro da nova política industrial do governo federal, denominada “Plano Brasil Maior”.

De acordo com Jaime Martins, o setor coureiro-calçadista e moveleiro precisa de estímulos e competitividade, gerando empregos, crescimento e inovação. "Sabemos da atenção dada a estes setores, como na alteração do texto do Projeto Revitaliza e do FFEX (Fundo de Financiamento das Exportações) que concede linhas de crédito à indústria calçadista e desta forma ampliou as empresas que poderão ser beneficiadas por financiamentos. Mas, ainda existe a necessidade de um equilíbrio e de melhorar a qualidade da balança comercial, evitando o encolhimento das nossas indústrias, por meio da substituição de produtos nacionais por importados.

Jaime Martins comentou em Audiência Pública na Câmara dos Deputados sobre essa substituição de produtos nacionais por importados. “A situação é gravíssima. A situação da desindustrialização e da perda de empregos chega numa situação surreal. Eu sou da região Centro-Oeste de Minas, e Nova Serrana que é o grande centro polo calçadista, foi até agora o Município que mais tem crescido em Minas Gerais, chega a já produzir cerca de 600 mil pares de calçados por dia e sofrendo a concorrência predatória de produtos chineses”, argumentou.

Ainda conforme Jaime Martins, na tentativa de solucionar essa situação que considera grave, ele acrescentou que vai retomar projetos em tramitação na Câmara e buscar alternativas para agilizar a aplicação de medidas. “Acabo de passar na Comissão de Justiça para solicitar a relatoria do projeto de lei n.4.801 que tem prejudicado a indústria nacional e eu espero que no máximo 15 dias eu possa entregar isso pronto para o governo”, disse.

Jaime Martins ressaltou ainda que o principal eixo da competitividade da economia nacional é a taxa de câmbio. Ele não é contra a forma com que se faz câmbio hoje, mas acha que o governo terá que ser criativo no sentido de conter a excessiva entrada de recursos especulativos. “Eu chamo esses recursos de recursos de prostituição, porque entra por um mercado prostituído financeiro em função de uma taxa de juros, isso nos dá a sensação enganosa de que estamos muito ricos e que estamos muito bem. O Brasil ainda não tem as condições hoje de abrir mãos dos empregos da cadeia produtiva da nossa indústria por isso é fundamental fazer alguma coisa em relação ao câmbio, e que tomemos medidas criativas porque senão vamos romper esse ciclo que estamos vivendo do câmbio flutuante”, declarou.
Para Fernando Pimentel, a nova política industrial, deverá focar na inovação para concorrer com o cenário econômico mundial dominado pela presença chinesa. “Qualquer país industrializado dificilmente consegue ganhar do modo de produção asiático só usando chão de fábrica”, disse. 

No fim do encontro, Fernando Pimentel, falou das novas medidas adotadas dentro do Plano Brasil Maior, sendo que algumas delas englobam os pleitos feitos durante a reunião e em tom de otimismo ele vai analisar as propostas.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.