quinta-feira, 18 de Junho de 2015 10:33h Atualizado em 18 de Junho de 2015 às 10:37h. Jotha Lee

Kaboja ganha mandato tampão e fica três anos consecutivos na presidência da Câmara

Vereadores mudam regimento interno e Legislativo retoma mandato de dois anos para Mesa Diretora

Cinco anos depois de ter mudado o regimento interno em 2010, reduzindo o mandato da Mesa Diretora de dois para um ano, a Câmara Municipal modifica mais uma vez seu regimento interno. Na sessão de ontem, foi aprovado o Projeto de Resolução 9/2015, que retorna o mandato da Mesa Diretora para dois anos. Além disso, os vereadores deram ao vereador Rodrigo Kaboja (PSL) mais um ano de mandato na presidência da Casa.
Para justificar o mandato “tampão”, Kaboja escreveu na justificativa do projeto que 2016 é o último ano de mandato da atual legislatura, o que inviabiliza o mandato de dois anos caso fosse eleita nova Mesa para o ano que vem. Desta forma, o projeto prevê o mandato de dois anos a partir de 2017 e a prorrogação de mais uma ano para a atual Mesa, sem que ocorra nova eleição.
Com a aprovação do projeto, que teve 14 votos favoráveis e dois contrários, a partir de 2017 a Mesa Diretora da Câmara passa a ter mandato de dois anos, como ocorria antes de 2010. Já o vereador Rodrigo Kaboja, que foi o primeiro presidente a ser reeleito para um segundo mandato consecutivo na Câmara, é agora o primeiro presidente a ficar três anos consecutivos, com o mandato tampão de um ano que terá a partir de 2016.
Para convencer o plenário a votar favorável à proposta, Rodrigo Kaboja fez um extenso discurso, no qual fez questão de citar nominalmente cada um dos vereadores. Embora tenha feito campanha para se manter no cargo, Kaboja afirmou que “não será fácil administrar essa Casa no momento de maior queda na arrecadação do município.”

 

CONTRÁRIOS
A votação de ontem transcorreu em clima tranquilo, porém Kaboja não obteve a unanimidade que conquistou na votação de sua reeleição. Os vereadores Edmar Máximo (PHS) e Raimundo Nonato (PDT) votaram contrários. Os demais vereadores, mesmo alguns que já pleitearam o cargo, discursaram em apoio ao continuísmo na presidência.
O vereador Edmar Máximo leu em plenário manifestações que recebeu de eleitores, que se posicionaram contrários à reeleição. Em uma das mensagens lidas pelo vereador, o eleitor demonstrou indignação com a medida e comparou a Câmara ao regime monárquico. Edmar Máximo admitiu que seria voto vencido, mas não desistiu de sua opinião. “Admiro o trabalho do vereador Kaboja, votei nele duas vezes, mas não posso concordar com um mandato de três anos. Sei que sou voto vencido, talvez vou até sofrer penalidade, mas voto contrário. Estamos na contramão da história, pois a reforma política está acabando com a reeleição e nós estamos aprovando mandato de três anos”, afirmou.
O vereador Anderson Saleme (PR) votou favorável, mas fez cobranças e exigiu que as promessas de campanhas feitas por Rodrigo Kaboja sejam cumpridas. “Espero que o senhor [Kaboja] reflita e que a conta para o próximo ano seja compatível com as propostas de campanha que foram feitas e que elas sejam cumpridas”, discursou.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.