terça-feira, 8 de Julho de 2014 09:28h Carina Lelles

Minas tem oito pedidos de registro de candidatura ao governo do Estado

A coligação Todos por Minas deverá ter o maior gasto com a campanha, cerca de R$ 60 milhões. Para a presidência da república, onze registros foram feitos

Terminou no último sábado o prazo para o registro de candidaturas para as próximas eleições. Em Minas Gerais, o tribunal Regional Eleitoral recebeu oito pedidos de registro de candidaturas para governador. Três deles foram de partidos que concorrerão isoladamente e cinco de coligações.
Os editais de pedidos de registro serão publicados no Diário da Justiça Eletrônico nesta quinta-feira e, a partir daí, serão contados os cinco dias de prazo para apresentação de impugnações. Alguns partidos deixaram para protocolar seus pedidos faltando poucos minutos para o encerramento do prazo.
Vários servidores do TRE vão trabalhar noite adentro para organizar a documentação apresentada. Ainda não foi possível quantificar o número de candidatos a deputados, mas será superior a 1.700.
Os pedidos de registro incluem informações como limite de gastos previstos para a campanha, certidões e declaração de bens que estarão disponíveis na internet na amanhã. Os registros ainda são possíveis até 20 dias antes da eleição, em caso de substituição dos candidatos por renúncia ou indeferimento.
O candidato ao governo, André Antonio Alves (PHS) terá como vice, Juares de Souza Ferreira (PTdoB). A coligação Mais Minas conta com os seguintes partidos: PTdoB, PRP, PHS e PEN. Os gastos com a campanha deverão chegar a R$10 milhões.
O PCO lançou candidatura própria e registrou Cleide Donária como candidata a governadora e Adilson Rosa para vice. Está previsto o gasto de R$ 30 mil na campanha.
O PSDC também lançou candidatura própria ao governo do Estado. Eduardo Ferreira terá Raimundo Nonato como vice, com previsão de gastos na campanha de R$1 milhão.
Fernando Pimentel (PT), para governador, e Antônio Andrade (PMDB) para vice, fazem a coligação Minas pra Você que tem como aliados o PT, PMDB, PCdoB, PROS e PRB. A coligação terá a segunda campanha mais cara, com previsão de gasto de R$ 42 milhões.
PSOL e PSTU fazem a coligação Frente Esquerda Socialista que tem Fidélis Alcantara (PSOL), como candidato a governador, e Victoria Mello (PSTU), a vice. R$ 300 mil é a previsão de gasto.
A campanha de Pimenta da Veiga (PSDB), para governador, com Dinis Pinheiro (PP) para a vice terá o maior gasto, segundo consta na declaração feita ao TER-MG. Serão R$ 60 milhões na coligação Todos por Minas, que tem o maior número de partidos aliados: PP, PDT, PTB, PSL, PTN, PSC, PR, PPS, DEM, PMN, PTC, PV, PSDB, PSD e SD.
Tarcísio Delgado (PSB) e Silvia Reis (PRTB) disputam o governo de Minas pela coligação Minas quer Mudança, que conta com PRTB, PSB e PPL. A coligação não divulgou os gastos da campanha.
Finalizando os pedidos de registro, Túlio Lopes e Roberto Auad são os candidatos a governador e vice (respectivamente) pelo PCB e gastarão meio milhão na campanha.

 

 

 

Presidente
Para presidente da república, onze pedidos de registro foram feitos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Todos ainda aguardam julgamentos. Os pedidos foram de Aécio Neves da Cunha (PSDB), Dilma Vana Rousseff (PT), Eduardo Henrique Accioly Campos (PSB), Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho (PV), Everaldo Dias Pereira (PSC), Jose Maria Eymael (PSDC), José Levy Fidelix da Cruz (PRTB), José Maria de Almeida (PSTU), Luciana Krebs Genro (PSOL), Mauro Luís Iasi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO).

 

 

 

Senado
Para o cargo de senador também foram apresentados oito pedidos de registro de candidatura, cada um com seus dois respectivos suplentes. Neste ano será disputada apenas uma vaga para o Senado.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.