quarta-feira, 4 de Janeiro de 2012 09:37h Flávia Brandão

Movimentos sindicais na mira do PSDB e PSD para eleições de 2012

Executivas Nacionais anunciam pré-candidatos, masem Divinópolis articulação ainda é tímida

A conquista por espaço nos movimentos sindicalistas, que tem forte e antiga associação com a sigla do PT, está na mira da Executiva Nacional do PSDB e do recém criado PSD. De acordo com o jornal paulista o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra, declarou nas eleições municipais deverão ser lançados pelos tucanos cerca de 200 candidatos originários de sindicatos de trabalhadores. Na mesma linha segue o PSD, dirigido pelo prefeito Gilberto Kassab, que diz ter 90 pré-candidatos sindicalistas podendo aumentar esse número. Em Divinópolis, os presidentes do PSD e PSDB reconhecem a importância dos movimentos, mas a articulação de pré-candidatos do reduto sindical ainda se mostra tímida.
Luiz Militão, presidente do PSDB Divinópolis, diz que o diretório segue as ações realizadas a nível estadual e nacional. “Estamos trabalhando para aproximar desses movimentos sindicais e também os populares de modo geral visando construir um novo projeto de Brasil e obviamente de cidade, que é onde tudo acontece”, declarou. O presidente afirma que existem sim na sigla pré-candidatos oriundos de movimento sindical. “Temos, por exemplo, a Ana Lúcia Santos, do Sindicato das Costureiras (SOAC), e há conversas com o Sindicato dos Metalúrgicos”, declarou.
Estratégia
Questionado se essa é uma estratégia seguindo a linha do PT, que tem raízes sindicalistas alcançado assim reforço para reeleição municipal de Vladimir, Militão disse que não se restringe somente a estratégia para reeleição, mas também para a construção de novo projeto para o Brasil a partir dos municípios.        Já o presidente do PSD Municipal, Flávio Ramos, classifica a aproximação não apenas como uma “nova estratégia”, mas também como uma ação “muito boa” porque assim a recém-criada sigla poderá se aproximar daquilo que a maior parte da população pensa e trabalha. “Você não pode hoje estar atrelado a uma elite e os movimentos sindicais tem uma capilaridade muito grande nos movimentos de base, das populações mais humildes e o partido tem que estar sintonizado coma maioria da população”, declarou.
Carência
Relativo a pré-candidatos sindicalistas para 2012, Ramos afirma que não há ainda lideranças, que estejam filiadas ao PSD. Ele reconhece essa aproximação como uma carência ainda no PSD Divinópolis e justifica o fato alegando que o partido foi criado recentemente na cidade. No entanto, ele adianta que essa aproximação tanto de movimento sindicalistas como religiosos,de diversas matizes, será feita com o tempo buscadolideranças, que tenham afinidade com ideologia do partido. “Estamos no momento de pesquisas e conversas para que possamos estabelecer essa conexão, que ainda não temos ainda a nível municipal”, declarou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.