Nepotismo, Estacionamentos e Orçamento são as metas do legislativo

Na volta do recesso parlamentar na tarde desta terça-feira, cinco projetos entraram em votação e a reunião ordinária foi marcada por discursos dos vereadores.

Após mais de 30 dias de descanso, os vereadores de Divinópolis voltaram às atividades na tarde de ontem. A primeira reunião ordinária do segundo semestre de 2014 contou com a apreciação de apenas cinco projetos e muito discurso de auto-promoção. Porém, nas próximas reuniões, projetos importantes e polêmicos devem entrar em pauta.
Para o presidente da Câmara, Rodrigo Kaboja, “o primeiro semestre foi muito positivo porque a Câmara trabalhou muito para que fosse aprovado o projeto do SIM Saúde, o Plano Diretor e a Cidade Tecnológica que é uma expectativa de progresso. Sabemos que nossa economia está paralisada e a Cidade Tecnológica é a expectativa do município voltar a crescer.”
Além disso, o presidente destacou a reforma administrativa. “O poder legislativo se fortaleceu administrativamente a partir do recesso, quando fizemos a reforma administrativa, a maior da história da Câmara. Acredito que no segundo semestre vamos trabalhar para tentar sanar e participar ativamente, juntamente com o Executivo, para melhorar a vida do divinopolitano.”
Por falar em segundo semestre, pelo menos dois projetos polêmicos estão em tramitação. Um sobre nepotismo e outro sobre a cobrança de estacionamentos em locais públicos como a UPA e Teatro Gravatá.
“O projeto do nepotismo já colocamos em votação por diversas vezes e foi feito pedido de sobrestamento e devemos colocar ele em votação novamente ainda este mês. O projeto dos estacionamentos é muito importante nós votarmos o mais rápido possível e também o orçamento que deve chegar para ser apreciado e votado em setembro. Vamos ter muito trabalho e vamos fazer o melhor para Divinópolis”, finaliza Kaboja.

 

 

 

Crédito: Carina Lelles

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.