terça-feira, 9 de Setembro de 2014 06:21h Carina Lelles

“O poder público não pode ser grande empregador daqueles derrotados nas urnas”

Quem é a Eliana Piola?

Eliana Piola é casada, mãe de dois filhos, natural de Divinópolis, graduada em Administração e Direito. Ex-vereadora de Divinópolis por dois mandatos consecutivos, além disso, sou empresária do setor agropecuário, ex-coordenadora de Política das Mulheres no Governo de Minas Gerais, fui gestora do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra Mulher em Minas Gerais, onde integrei o Fórum Nacional das Gestoras do Pacto. Integrei também o Fórum Nacional de Instâncias de Mulheres de Partidos Políticos. Afastei-me agora pela questão eleitoral. Integro atualmente o Conselho da Mulher Empreendedora da Associação Comercial de Minas Gerais, faço parte ainda da Câmara da Mulher Empreendedora da Federaminas. Sou uma mulher que tem sonhos, ideal e está na busca de um espaço para poder colocar Divinópolis no lugar que ela nunca deveria ter saído que é da condição de município pólo, referência maior desse Centro-Oeste Mineiro.

 

 

 

 

 

Porque os eleitores devem votar em Eliana Piola?
Acho que o Brasil tem dado essa resposta, primeiro porque os(as) eleitores(as) chegaram à exaustão, de certa forma, com esse modelo político de hoje. Um modelo político que não foi construído por nós mulheres, evidentemente, considerando que as instâncias partidárias e os espaços de poder são predominante masculinos. O eleitor vem demonstrando querer pessoas que tenham um compromisso efetivo, seja com questões de ordem econômica ou social, mas acima de tudo os leitores querem pessoas que tenham uma estatura razoável, seja na ética ou na moralidade da coisa pública, e eu acredito que durante meus dois mandatos de vereadora eu demonstrei isso com seriedade, de colaborar com o crescimento de Divinópolis. Dei suporte ao então gestor municipal em tudo o que contribuiu para o desenvolvimento desta cidade.
Ressalto que em momento algum me intimidei em cumprir meu papel de vereadora, seja ele na fiscalização chegando até o extremo, de quando necessário, encaminhar denúncias ao Ministério Público em questões que talvez outros não ousem, por exemplo, a redução da tarifa de transporte público, que foi algo inédito. Aquilo que o Brasil fez no ano passado com as manifestações, nós já o fizemos em 2003, quando apontamos irregularidades graves no cálculo da tarifa de transporte que afeta a vida dos cidadãos.
Já deixamos um rastro aqui na cidade sobre a minha forma de conduta. Minha experiência nesses últimos sete anos tanto no governo do Aécio Neves quanto no do Anastasia me propiciaram conhecimento e bagagem suficiente para não somente entender a lógica de se transitar dentro do governo, considerando ser um órgão de articulação e execução, mas pude fazer isso de forma muito tranquila. Dei conta de entender a diversidade, estabelecer mais que um diálogo, contribuir com as políticas públicas. Esse trânsito, esse saber dialogar com aqueles que são aliados, mas cobrar também, acho que me credenciam, me dão essa motivação de voltar ao cenário para a disputa de uma cadeira na Assembleia Legislativa.
Tenho por mim que Divinópolis passa pelo complexo de menos valia, uma cidade que se diz pólo não pode se sujeitar a todas as questões que o governo, de certa forma, nos contempla. Temos que ousar mais, temos que ser pólo em todos os aspectos, somos grandes inspiradores das cidades vizinhas. Lamentavelmente não tem sido essa a nossa colocação de não ter uma articulação política para Divinópolis. Queremos voltar os divinopolitanos a ter orgulho dessa cidade. Serei deputada por Divinópolis e depois pela região.

 

 

 

 

 

 

Quais são as suas propostas caso você seja eleita?
Por incrível que pareça o Governo está fazendo a sua parte, mas existe um equívoco enorme quando as pessoas não compreendam isso. Por exemplo, temos a duplicação da nossa principal via de acesso, a MG-050, e isso as pessoas criticam muito por não entender. O estado de São Paulo começou a melhorar as suas rodovias há 35 anos, pedagiando.
Precisamos focar nesse momento no desenvolvimento econômico, porque ele nos permitirá sanar alguns vícios, sanar algumas lacunas seja da saúde, da infraestrutura e até mesmo da educação. Sem o desenvolvimento econômico e social com base de um ponto de equilíbrio, Divinópolis não sairá do lugar. Temos aqui hoje um cenário preocupante onde 70% do que circula aqui dentro vem do varejo, nós precisamos equilibrar mais essa lógica, nosso parque industrial está em um momento que precisa ser analisado por todos nós, inclusive para a mudança desse ciclo econômico como forma de contribuir para sanar os problemas que temos.
Qual a maior infraestrutura que precisamos hoje? É da rede de esgoto, de calçamento? Se pensarmos somente nesse foco não sairemos, precisamos, por exemplo, dar visibilidade a outras questões, como o aeroporto sendo visto de forma comercial, temos um espaço amplo, é muito bem preparado e estamos patinando com esse aeroporto há anos. A melhor forma de gestão desse espaço seria nas mãos do poder público? Essa é uma pergunta que fazemos. Há possibilidade de nós mesclarmos o aeroporto com o transporte de passageiros e de cargas? Talvez esse seria o momento de nós atentarmos para isso e fazermos como Itaúna que está construindo um aeroporto comercial próximo de nós. Isso é transformação, o sistema de transporte ele é imprescindível para nós.
Estamos chegando à exaustão do nosso terceiro ciclo econômico, mas acho que o quarto ciclo é possível melhorar, tendo em vista o início de bons feitos como a duplicação e ainda com a vinda do gasoduto para Divinópolis anunciada pelo Governo do Estado para 2016. Precisa de uma mudança na legislação dentro da Assembleia Legislativa e o projeto está parado. Se pudesse agir hoje eu colocaria isso na ordem do dia como questão primeira para o desenvolvimento do Centro-Oeste e, sobretudo, Divinópolis.  Permitir que haja aporte de recurso em Minas Gerais para que a Gasmig faça este investimento de imediato e que a gente tenha esta nova matriz energética e aí vislumbrar outras indústrias.
O nosso ciclo siderúrgico poderá melhorar, mas não irá retornar ao que era. O ciclo da ferrovia está bem, onde os nossos trens circulam em média de 17 a 20 quilômetros por hora e onde há talvez o entendimento nesse momento da realização e efetivação do trem bala.
Acho que Divinópolis tem que fazer uma análise muito fria nesse momento, devido ao processo de mudança que queremos de melhor acesso, uma nova forma de matriz energética e uma nova concepção de pureza.
A democracia não pode nos custar caro como tem nos custado. Podemos ter uma democracia de uma forma mais enxuta, gastar mais com os cidadãos e menos com o status do poder público. É inadmissível o que temos assistido nos últimos anos, estruturas pesadas, arcaicas e superadas.
Eu já assumi um compromisso que se for eleita, dentro da minha visão, irei colaborar para que o poder público promova a geração de empregos e desenvolvimento lá na iniciativa privada. O poder público não pode ser grande empregador daqueles derrotados nas urnas. Temos assistido nos últimos anos que o condicionamento de apoio, desse ou daquele, a um prefeito ou outro, desde que ali se aporte seus cabos eleitorais e tenham ali seu emprego e salário garantidos ou de seus familiares. Sou terminantemente contrária a isso, não é a minha visão nem a minha filosofia. Emendas parlamentares têm se tornado um vício apenas para manter o mandato de cada um que tem acesso a elas. Emenda parlamentar tornou-se um financiamento de campanha privilegiado a poucos e essa não é a função da emenda.
Não vou impor o meu apoio, enquanto deputada, a nenhum prefeito, para ali aportar os meus cabos eleitorais e garantir emprego municipal. Isso é um vício que precisamos estancar de imediato. A minha visão é outra. O poder público é o maior alavancador da economia, mas ele não pode ter a acomodação de dizer que é o maior gerador de emprego do município.
Gostaria de ter aqui indústrias com cinco, dez mil colaboradores, mas não me atrai ter uma Prefeitura com o mesmo número.

 

 

 

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.