sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012 09:50h Atualizado em 20 de Janeiro de 2012 às 09:57h. Flávia Brandão

Operação “Pare e Siga” no Centro Industrial

Uma operação de “Pare e Siga” será a solução emergencial para atender os empresários do Centro Industrial, no Icaraí, que hoje têm grande dificuldade de sair do bairro para acessar a MG-050 em horários de pico

Uma operação de “Pare e Siga” será a solução emergencial para atender os empresários do Centro Industrial, no bairro Icaraí, que hoje convivem nos horários de picos a grande dificuldade de sair do bairro para acessar a rodovia MG-050. A decisão foi tomada em reunião realizada, ontem (19), na sede da ACID, no Distrito Industrial, onde estiveram reunidos representantes da Prefeitura, Secretaria Estadual de Transportes e Obras Públicas (SETOP), Nascentes das Gerais, Polícia Rodoviária e a empresários. Já como medida de curto prazo será viabilizada a celebração de um convênio entre Prefeitura e Governo de Minas para construção de uma rotatória no valor de R$ 700 a R$ 1 milhão. 
Maria Teresa Lisboa, representante da Secretaria de Transportes e Obras Públicas (SETOP), avaliou que a reunião foi muito produtiva e foi possível estabelecer linhas de ação para dar uma resposta para a população até que ocorra a duplicação da MG-050 até Divinópolis.  A representante explicou que o projeto que a Concessionária Nascentes das Gerais irá implantar,uma variante retirando o tráfego de longa distância de onde passa atualmente, será feito a longo prazo, mas o Estado já posicionou que irá assumir os R$ 27 milhões previstos nas desapropriações. “Esse projeto é ainda uma ação mais longo prazo, apesar de estar atrasado no programa inicial da concessão, ele atrasou por uma série de motivos, mas o Estado está se propondo agora a assumir a desapropriação, sendo R$27 milhões, que precisamos para iniciar essa obra”, declarou. A perspectiva segundo a Maria Teresa é que se tudo correr certo nas desapropriações até agosto ou setembro de 2012, as obras comecem.
Rotatória
Já como medida a curto prazo, Maria Tereza disse que será celebrado um convênio com a Secretaria de Transportes para implantar uma “rotatória alongada, na interseção do Distrito Industrial”, ou seja 500 metros para baixo - sentido de Itaúna - no intuito de resolver o problema  do conflito do tráfego de longa distância da MG-050 com o tráfego local do Distrito Industrial. Teresa informou ainda que esse projeto já foi desenvolvido pelo DER e ontem (19) foi entregue para a Prefeitura, sendo que ação agora depende de entendimento entre a Prefeitura e a SETOP para a assinatura do convênio e liberação dos recursos. “Imaginamos que em 90 dias a gente consiga viabilizar esse repasse de recursos”, declarou.
Maria Teresa justifica que a Prefeitura assuma a obra para que a mesma possa se viabilizar mais rapidamente. “O Estado está propondo a Prefeitura, que assuma essa obra porque a gente acha que a Prefeitura pode fazer mais rapidamente. A Prefeitura é mais ágil porque ela pode licitar isso mais rapidamente do que o Estado faria”, argumentou Teresa.   A expectativa é de R$ 700 a R$ 1 milhão sejam repassados a Prefeitura.
O assessor de Governo, João Luiz (Pancho), adiantou que na próxima semana o Prefeito Vladimir juntamente aos deputados deverá ir ao Governo do Estado para agilizar  essa liberação dos recursos para a construção da rotatória , promovendo a celebração do convênio Prefeitura e Estado.
Pare e siga
Já em como medida imediata, prevista para ser implantada a partir do dia 1º de fevereiro, Maria Teresa afirma que a proposta é a implantação de uma operação “Pare e Siga”. Para discutir a questão foi agendada reunião para o próximo dia 23, onde estarão reunidos Prefeitura, Nascentes das Gerais, Polícia Rodoviária e o DER para discutir como será a operação.  “Nossa meta é que dia 1º de fevereiro isso já esteja lá na rodovia funcionando no período 16h30 às 19h, ou 17h às 19h. Seria uma ação dessas instituições em conjunto para poder solucionar diariamente o problema, mas ainda o horário não está definido já que é preciso considerar os horários de maior fluxo de veículos”, explicou Teresa.
Duplicação
A reportagem questionou a representante sobre quando o Governo do Estado - levando em conta as desapropriações para a construção da estrada variante será assumida - prevê que a MG -050 será duplicada realmente. Em resposta, Maria Tereza disse que “seria infantil” da parte dela precisar uma data, já que em um processo de desapropriação pode demandar tempo se houverem ações judiciais. Outro ponto é a questão da disponibilização dos recursos, sendo que a previsão é que o Estado libere o mesmo de forma gradativa. “Com certeza os R$27 milhões o Estado não irá para passar de uma vez, estamos trabalhando com a hipótese de ser repassando aos poucos. Com isso temos a idéia que em agosto de 2012 essa obra poderia começar, mas eu não posso marcar uma data. Seria leviano da minha parte marcar quando a duplicação ficaria pronta”, declarou Maria Teresa.
Empresários
Para o empresário Ascânio Gontijo, que é presidente da Comissão de Administração do Centro Industrial, o encontro foi oportunidade para que as entidades manifestarem e também verificar que há a preocupação de sanar o grande mal, que vivem hoje os empresários do local. “São vários os problemas, mas temos que resolvê-los um de cada vez e a nossa prioridade é a saída do Centro Industrial. Esse é o grande problema e vamos resolver ele primeiro”, disse. O empresário acredita que mesmo experimentado o “Pare e Siga”, pode ser estudada a instalação do semáforo.  “Se nós colocarmos o semáforo tiraremos da via o ser humano que está sujeito a acidentes”, declarou.
Presenças
Estiveram presentes na reunião: o vice-prefeito, Francisco Martins (PDT); o secretário de Fomento Econômico, Rodrigo Resende; o assessor de governo, João Luiz (Pancho), o empresário e presidente da Comissão de Administração do Centro Industrial, Ascânio Gontijo; o Tenente Costa, da Polícia Militar; os representantes do Governo de Minas na SETOP, Maria Teresa Lisboa e Daniel Guerra; o diretor Executivo da Concessionária Nascentes das Gerais, Joselito Castro; a gerente de Fiscalização do DER, Ione Cardoso, além de empresários do Distrito Industrial 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.