sexta-feira, 28 de Novembro de 2014 12:29h Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil

Oposição diz que nova equipe econômica representa "estelionato eleitoral"

O anúncio definitivo hoje (27), da nova equipe econômica para o próximo mandato da presidenta Dilma Rousseff provocou repercussões diversas no Congresso Nacional

Para a oposição, a escolha de Joaquim Levy para a Fazenda, Nelson Barbosa para o Planejamento e a manutenção de Alexandre Tombini no Banco Central representa um “estelionato eleitoral” por parte da presidenta. Já os governistas elogiaram as indicações e rebateram as críticas.

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), candidato derrotado à Presidência da República, considerou a escolha uma tentativa de acalmar o mercado financeiro. No entanto, Aécio, destacou que outras manobras fiscais da presidenta acabam levando o país ao descrédito, como a tentativa de rever a meta de superávit para este ano.

“A presidenta escolheu novos nomes para a área econômica do governo tentando acalmar o mercado e recuperar a credibilidade perdida. Mas, ao mesmo tempo, protagoniza no Congresso mais um violento ataque à credibilidade do país, ao afrontar a Lei de Responsabilidade Fiscal, alterando as metas de superávit e usando como moeda de troca os cargos públicos de sempre”, afirmou.

O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE), ressaltou que as escolhas de Dilma representam o oposto do que ela prometeu ao longo da campanha eleitoral. A ortodoxia econômica associada aos novos ministros, na opinião de Mendonça, era o que Dilma criticava em seu principal adversário, o senador Aécio Neves.

“Cada atitude da presidente nesse pós-período eleitoral mostra que ela iludiu os brasileiros. Os juros subiram, a inflação bate o teto da meta, corroendo o poder de compra do povo, e agora empossará um ministro da Fazenda ortodoxo para administrar o rombo nas contas do governo. Dilma age totalmente diferente do seu discurso de campanha”, declarou o líder democrata.

Os governistas, no entanto, elogiaram as escolhas e rebateram as críticas da oposição. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que foi ministra da Casa Civil de Dilma, lembrou que os três ministros já fazem parte dos governos petistas desde os mandatos do ex-presidente Lula. Segundo ela, isso significa que não há contradição, uma vez que Dilma não está trazendo pessoas estranhas ao seu projeto de governo.

“Essas três pessoas, com certeza, vão dar à presidenta Dilma grande estabilidade – eu diria que são os três mosqueteiros da presidenta. Vão dar grandes condições de desenvolvimento e vão dar, sobretudo, condições de continuidade aos nossos programas sociais. Portanto, não tem uma contradição em relação ao discurso de campanha da presidenta Dilma, porque ela vai continuar exatamente com aqueles programas que estão dando esses índices e esse resultado para o Brasil”, completou Gleisi.

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), também defendeu a escolha e disse que os nomes geram “credibilidade” e “expectativa positiva” no mercado financeiro. “Joaquim Levy é alguém que tem experiência na área e credibilidade. Convivi com o agora ministro Nelson Barbosa, portanto acho que a presidenta fez a escolha adequada, e espero que isso gere a confiança no mercado para que possamos viver momento de expectativa positiva e de esperança”, disse.

Apesar do anúncio dos nomes hoje, a nova equipe econômica só deverá tomar posse no próximo ano. Em nota, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República informou que os ministros Guido Mantega e Miriam Belchior permanecerão em seus cargos na Fazenda e no Planejamento, respectivamente, até que se conclua a transição e a formação das novas equipes de seus sucessores.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.