sábado, 9 de Junho de 2012 09:10h Carla Mariela

Parlamentares opinam contra o reajuste da tarifa de pedágio na MG 050

O cenário legislativo na última Reunião Ordinária, na Câmara Municipal, mostrou a indignação por parte de alguns vereadores em relação ao anúncio do reajuste da tarifa de pedágio na MG050. Os parlamentares que argumentaram sobre esse assunto durante o pronunciamento foram: Adair Otaviano (PMDB), Edmar Rodrigues (PSD), Pastor Paulo César (PRB), Beto Machado (PSDB) e Edson Sousa (PSB).

 


O reajuste da tarifa de pedágio na MG050 foi anunciado no mês do aniversário da cidade em comemoração aos 100 anos do Município. A notícia causou indignação primeiramente nos motoristas que necessitam passar pelo local todos os dias, e quando passou a ser tema no plenário, muitos vereadores também se mostraram indignados com a situação. Conforme publicada em edições anteriores da Gazeta do Oeste, de acordo com a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), o aumento da tarifa significa apenas uma condicionante do contrato da Parceria Público Privada (PPP), da MG050.

 

Em discurso na Câmara, o vereador Adair Otaviano, disse que não é justo esse anúncio de aumento da tarifa de pedágio cobrada na rodovia MG050. “Mais uma vez em meu discurso, eu quero falar do nosso pedágio da MG050. Ao deparar com uma notícia, que fala de mais um aumento da tarifa de cobrança de pedágio para a nossa MG 050 em 2008 com o valor de pedágio era R$3,30 e hoje nos deparamos com mais um anúncio de aumento nesse valor do pedágio, que a partir do dia 13 de junho de 2012, sofrerá mais um aumento. De R$3,30 vai passar para R$4,10, nós vemos que caminhões de quatro eixos pagam R$12,30, caminhões de cinco eixos R$20,50; máquinas e caminhões com seis eixos R$24,60, o que chega a ser o cúmulo do absurdo. Nós que usamos muito das nossas rodovias brasileiras para fazer transporte de grãos, transporte das riquezas que o nosso país tem, temos que nos deparar no nosso Estado com o pedágio caro dessa forma. Esse é o presente que o nosso governador Antônio Anastasia está dando para os brasileiros, mineiros e divinopolitanos”, indagou.

 

Quem também discursou criticando o reajuste da tarifa e achou abusiva a taxa de cobrança foram os parlamentares Edmar Rodrigues e o Pastor Paulo César.

 

O vereador Edson Sousa durante seu discurso apresentou dados sobre os valores cobrados nas rodovias terceirizadas no país. “As rodovias terceirizadas pelo Governo do Estado tem preço de pedágio muito maior do que o cobrado em rodovias que foram privatizadas pelo Governo Federal”, disse.

 

Para o parlamentar, Beto Machado, em seu pronunciamento, as Nascentes das Gerais, alega não conseguir cumprir o contrato de obras, mas cumpre o reajuste anual previsto na PPP. De acordo com  Machado, é necessária a criação de uma agência reguladora das PPPs para solucionar o problema, pois para ele, a agência reguladora teria o objetivo de fiscalizar o que é feito na Parceira Pública Privada.

 

Atualmente as praças de pedágio estão localizadas em Itaúna no quilômetro 81, em Divinópolis as praças estão no quilômetro 140, 5 e em Formiga no quilômetro 219,9. Cidades como Capitólio, São Sebastião do Paraíso, também contam com uma praça de pedágio na rodovia MG 050.

 

Na visita do vice-governador Alberto Pinto Coelho, em Divinópolis no dia 1º de Junho, no centenário da cidade, ele foi questionado por meio do Deputado Estadual, Fabiano Tolentino (PSD), sobre a duplicação da MG 050. Segundo o vice-governador essa questão e as demais questões relacionadas à MG 050, precisam ser solucionadas. “A MG 050 é uma rodovia, onde a questão da duplicação, por exemplo, deve ser solucionada. Nós esperamos que haja solução nessas demandas legítimas para o desenvolvimento da região”, ressaltou.

 


O reajuste foi autorizado pela secretaria e terá validade a partir do dia 13 de junho, na próxima quarta-feira.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.