Pintores reclamam da fiscalização da Semmapu

Profissionais alegam que o acordo não foi cumprido

Desde que novas legislações sobre poluição visual entraram em vigor, muitas divergências entre profissionais dos setores afetados e a Semmapu (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Políticas Urbanas) começaram a ocorrer. A mais nova é referente à fiscalização de faixas nos locais que são permitidos.


Pela lei na área central é proibido afixar cartazes nos muros e pendurar faixas.Somente nos bairros é permitido, mas de acordo com o pintor letrista Antônio Dias Barbosa até nos bairros colocar faixa está sendo proibido. “Divinópolis deve ter pelo menos 15 pintores e nós fizemos um acordo com a prefeitura que no centro não pode afixar faixas, ai ficaram os bairros. O acordo foi respeitado até uns quatro meses atrás, de lá para cá esse Pedro Coelho passou a mandar tirar as faixas dos bairros que sempre puderam ser colocadas, desde que fizemos o acordo”.
A maioria dos pintores de faixa retira o sustento da família com o trabalho que realizam há mais de 30 anos, poucos são os novatos na profissão. Barbosa reclama que a secretaria tem prejudicado o trabalho dos profissionais. “A gente põe a prefeitura tira, e outro problema é que quando fosse colocada uma faixa regular o Meio Ambiente comunicaria com o pintor que fez a faixa, ao invés de fazer isso a secretaria agora fala com o dono da publicidade, e estão fazendo os pintores ficarem desacreditados”, frisa.


Para o pintor a forma como a Semmapu tem agido, tem prejudicado os pintores, pois até na entrada dos bairros as faixas estão sendo retiradas. “Eles tiram a faixa dos lugares que podem ter e ainda comunicam as pessoas. Se a gente coloca na entrada do Niterói eles vão e tiram, na entrada do Esplanada e em qualquer outro lugar eles tiram, no Porto Velho eles tiram”.


Antônio relata que as faixas até na porta das lojas foram retiradas pela Semmapu. Em outros pontos da cidade, é possível verificar faixas nas portas dos comércios e nada foi feito. “Há mais ou menos três semanas eu coloquei duas faixas na porta de duas lojas na Praça da Catedral, o Luis Fernando ligou para a loja e disse que as duas faixas não poderiam estar na porta, que era para tirar senão a loja seria multada”, conta.
De acordo com o pintor os profissionais estão se sentindo prejudicados, eles estão encontrando muita dificuldade no trabalho. “Acho que eles estão abusando demais, porque onde já se viu não poder colocar publicidade na porta do comércio. Baseado em que lei eles estão fazendo isso?”

 

 

RECLAMAÇÃO
Quando questionado se os pintores já fizeram denúncias formais ou reclamações junto à Semmapu, Barbosa explica que inclusive já marcou uma reunião com o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Políticas Urbanas, Pedro Coelho, mas não foi recebido no horário combinado através de um vereador. “Não tem como reclamar porque o Pedro não nos recebe, eu tentei conversar com ele na semana passada, porque um vereador marcou com ele uma reunião conosco, na quarta-feira da semana passada (30), fomos eu e a minha ajudante. Estava marcado para as 9h30 e ele chegou lá as 10h45. Eu cheguei 9h15 e depois de mim chegou mais gente, quando ele chegou ainda atendeu o pessoal que tinha chegado depois. Quando fomos perguntar para ele, o Pedro disse que não tinha nada marcado, mas ele marcou na minha frente, pessoalmente”, acrescenta o pintor.

ACORDO
A reportagem da Gazeta entrou em contato com a Semmapu para questionar se a secretaria realmente quebrou o acordo com os profissionais e o motivo porque as faixas dos bairros também estão sendo retiradas, mas até o fechamento da edição não obtivemos retorno.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.