População comparece em peso no plenário da Câmara

Dos 72 projetos em apreciação, a maioria foi aprovada em bloco, assim como o fim do apostilamento. Presidente informou que projeto do aumento de 60% no salário dos vereadores, prefeito, vice e secretários não seria votado nesta extraordinária

Vaias, protestos, cartazes, tomaram conta do plenário da Câmara Municipal de Divinópolis, na noite de ontem (29), pelos cerca de 300 manifestantes, que compareceram para a reunião extraordinária convocada para votação dos projetos, que ficaram pendentes durante 2011 ou que recentemente começaram a tramitar no Legislativo Municipal. Na pauta, constavam 72 projetos, sendo que 15 do Legislativo e 57 do Executivo. A população foi a Casa para protestar contra os PLCM 103 e 104/2011, que propõem o aumento salarial de vereadores, prefeitos, vice-prefeito e secretários, mas os mesmos não entraram na pauta, no entanto a população acompanhou a votação até o final. 
Logo no início, o presidente suspendeu a sessão alegando, que faltavam alguns pareceres e afirmou que por sua determinação iria retirar os projetos, que versavam sobre o aumento de salário. A atitude foi alvo de protestos de cerca 300 manifestantes e rendeu vaias e várias acusações contra o presidente como “covarde”, sendo que alguns classificaram a atitude como uma “manobra”, já que a população estava em peso na Casa para protestar. Coros como: “A eleição já vem ai nós vamos demitir” tomaram conta do plenário, sendo que a população ficou exaltada com o atraso de 1h20 para início.
Na pauta, constavam 72 projetos, mas apenas alguns foram apreciados já que muitos não estavam aptos para votação por sobrestamento ou falta de pareceres.
A primeira matéria apreciada foi o projeto referente ao Apostilamento dos servidores, que contou com o discurso favorável da maioria dos edis, conforme emendas modificativas inclusas e foi aprovado por 11 votos.   Já o polêmico projeto de Lei que extingue os cargos de Serviços Gerais da Prefeitura, foi sobrestado de até 30 dias a pedido do vereador Anderson Saleme (PR). A matéria que viabiliza que a administração do Hospital Público Regional seja através de Organização Social (OS) teve sobrestamento de 15 dias a pedido de Milton Donizete (PSD). Outro que também teve vistas de 7 dias a pedido de Edson Sousa, foi o projeto de empréstimos junto ao Banco do Brasil no valor de R$ 6,5 milhões para a Prefeitura Municipal.

MANIFESTAÇÃO
Além de cidadãos comuns, o plenário da Câmara permaneceu lotado durante toda a reunião, no entanto, os manifestantes contra os projetos que propõem o aumento de salário dos políticos municipais, ficaram por maior parte do tempo de costas para os parlamentares em sinal de protesto. Os manifestantes se mantiveram apostos com cartazes de indignação ao provável aumento de 60% em 2013, independente do mesmo não ter entrado na pauta de votação, assim como o projeto que foi retirado da pauta no início da tarde de ontem, o PLCM 047/2010, que regulamenta a ocupação de trechos, ao longo da faixa inundável do Rio Itapecerica e está inserido na denúncia de negociata de R$ 200 mil levada a Casa por Beto Machado (PSDB) no início do ano, sendo que uma CPI estava em tramitação para apurar a denúncia .


Com participação: Liziane Ricardo
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.