quarta-feira, 5 de Novembro de 2014 04:42h Jotha Lee

Prefeito anuncia ajustes no secretariado sem falar em reforma administrativa

Vladimir criticou gestão do Hospital São João de Deus e diz que vai cobrar responsabilidades

Ao receber a imprensa para um café da manhã na última segunda-feira, o prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), tratou de diversos assuntos que estão causando desgaste junto à opinião pública. Entre eles, o recém-fechamento da maternidade do Hospital São João de Deus, informação que foi negada durante meses pela gestão da instituição.
O prefeito falou também de outros temas, como a reforma em sua equipe de governo, que preferiu chamar de ajuste. Vladimir fez questão de evitar a palavra reforma, possivelmente para minimizar o impacto que a informação deverá causar entre seus principais colaboradores. Porém, admitiu que ajustes serão feitos ainda esse ano.
“A modificação vai acontecer, mas eu não chamaria essa mudança de reforma de secretariado. Mudanças acontecerão, mas de uma maneira natural e sem provocar rupturas”, afirmou Vladimir. “Eu não vou ser um serial killer que vai sair derrubando todo mundo, mas ajustes com certeza para esse novo ciclo vão ocorrer”, acrescentou.
O prefeito deixou claro que essas modificações em seu primeiro escalão serão motivadas pelos resultados das urnas nas últimas eleições. “A eleição é um divisor de águas, a gente começa agora a conclusão de projetos estruturantes e todo esse ajuste passa também pela reciclagem de alguns pontos da equipe de governo, oxigenação de outros, de realinhamento, talvez, de um ou outro”, assegurou.
Vladimir, que estava acompanhado dos dois homens mais fortes dentro do governo, os secretários Honor Caldas de Faria e João Luiz de Oliveira, fez questão de descartar uma possível demissão em massa em seu primeiro escalão, porém foi irredutível ao confirmar modificações. “Tudo vai acontecer num processo normal, de ajuste da máquina, sem uma ruptura de minha parte, a princípio”, garantiu.

 

 

INDIGNAÇÃO
Durante o encontro com a imprensa, o prefeito mostrou toda sua indignação com a forma como vem sendo administrado o Hospital São João de Deus, que está há um ano sob intervenção administrativa recomendada pelo Ministério Público. Vladimir afirmou que ficou sabendo do fechamento da maternidade por meio de redes sociais e criticou a direção da instituição pela demora em oficializar a informação.
O prefeito fez duras críticas à gestão do hospital sob responsabilidade da Dictum (empresa interventora nomeada pelo MP) e disse que já é hora de as soluções serem apresentadas. “Eles precisam encontrar soluções para problemas internos. A gente sente que há lá dentro [do hospital] um cabo de guerra e a fase de adaptação já passou. Agora é uma fase de resposta, tanto na crise fiscal do hospital, como na crise de assistência”, frisou.
“Mas nós vamos chamar à responsabilidade sim. Um interventor que vem aqui uma vez por semana, o superintendente está aqui todo dia, mas qual é a autonomia que ele tem? Do jeito que está o hospital não dá para a gente ter decisões uma vez por semana. Falar que uma vez por semana resolve os problemas, não resolve. A gente tem que clarear esse processo de gestão, para dar tranquilidade à população até na forma de comunicar. Com um ano de intervenção é um prazo mais do que razoável para buscar caminhos e soluções. Agora nós vamos cobrar as responsabilidades, chamar à mesa para que a gente tenha clareza decisória”, finalizou o prefeito.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.