quinta-feira, 7 de Maio de 2015 11:16h Atualizado em 7 de Maio de 2015 às 11:46h. Jotha Lee

Prefeitura ainda não tem data para retomar obras na Rua Pains

Superintendente da Usina de Projetos garante conclusão ainda este ano

As obras de drenagem, pavimentação e sinalização da Rua Pains, ligando a Avenida Sete de Setembro à Rua Mato Grosso, no bairro Afonso Pena, nas proximidades do quartel do 23º Batalhão da Polícia Militar, previstas para serem concluídas no final de 2013, estão interrompidas desde o ano passado e a Prefeitura não tem data para a retomada das atividades. As obras foram iniciadas em 2013, dois anos após a assinatura do contrato para liberação de recursos do Ministério das Cidades, via Caixa Econômica Federal (CEF). A ordem de serviço foi assinada pelo prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), no dia 17 de junho daquele ano.
Com pouco mais de 350 metros de extensão, o custo inicial foi estimado em R$ 599,8 mil, dos quais R$ 490 mil financiados pela CEF e o restante em contrapartida do município. São 633 metros lineares de drenagem pluvial, 5,7 mil metros quadrados de pavimentação asfáltica e 1,5 mil metros quadrados de passeio, além da construção de bueiros e outros elementos de escoamento de água e de urbanização.
A empreiteira Saneinfra Engenharia e Construções venceu a licitação para a realização da obra, entretanto pediu a rescisão contratual antes de finalizar o serviço. De acordo com o superintendente da Usina de Projetos, vice-prefeito Rodrigo Resende, a Saneinfra realizou 95% da obra, concluindo toda a parte de infraestrutra, restando agora somente a pavimentação.

CRÍTICAS
Na semana passada, em pronunciamento na Câmara, o vereador Delano Santiago (PRTB) fez duras críticas pelo atraso das obras na Rua Pains. Ele lembrou que há três anos boa parte dos vereadores esteve no local para lançamento das obras. “Tem vereador amigo meu que colocou faixa, nós homenageamos radialista no dia. Eu morro de vergonha desse dia, porque eu cheguei a brigar com dois ou três aqui [vereadores], entre eles o Edmar Rodrigues, porque ele queria sair na foto melhor do que eu e eu queria empurrá-lo, porque é perto da minha casa”, discursou. “Hoje eu tenho vergonha de passar na Rua Pains, porque o mato já cresceu, o mato já secou, a chuva já veio, as árvores já caíram. Tem carro abandonado no meio daquele mato, com a dengue empesteando a cidade. Aí alguém vai falar: ‘mas você é da base’. Mas tem coisa que não há como você defender”, acrescentou.
O vice-prefeito, Rodrigo Resende, enumera uma série de dificuldades que impediram a continuidade da obra. “Meu desejo, o desejo do prefeito, é que as obras já estivessem prontas, mas infelizmente independe da nossa vontade e até da nossa capacidade de fazer”, afirmou. Ele lembrou que a empreiteira Saneinfra não conseguiu realizar a obra de pavimentação pelo valor licitado e pediu a rescisão contratual.
De acordo com Rodrigo Resende, houve algumas pequenas alterações no projeto original, mas que exigiram que ele fosse devolvido à Caixa Econômica Federal para aprovação das mudanças. “A gente tem que entender que a Caixa atende a 55 municípios em toda a região e só tem dois engenheiros que fazem a fiscalização desses projetos, isso demanda tempo. Foram apontadas algumas irregularidades no projeto, fizemos as alterações e já sabemos que nos próximos dias a Caixa vai nos entregar esse projeto nos autorizando a licitação. É uma obra rápida e nós temos certeza que ainda esse ano a Rua Pains estará com o trânsito rodando em cima.”
O prefeito, Vladimir Azevedo, garantiu que a Rua Pains é prioridade em seu governo e vê a empreiteira como maior culpada pelo atraso na conclusão das obras. “A empresa abandonou a obra e a gente é vítima e ao mesmo tempo culpado no olhar da população e isso é normal. Mas já estamos prontos para relicitar, revisar planilha, caixa. Vamos entregar a obra aos moradores”, assegurou.

INQUÉRITO
A paralisação das obras na Rua Pains gera muitos transtornos à população. No meio da via há um enorme volume de terra que corta toda a extensão da rua e o elevado número de veículos que passam pelo local provoca muita poeira, afetando dezenas de moradores que residem no entorno. No cruzamento da Pains com a Sete de Setembro, a placa, já no meio do matagal, anuncia o início da obra para o dia 17 de junho de 2013 e conclusão para 16 de fevereiro do ano passado.
Diante desse atraso e da paralisação das obras, o procurador da República em Divinópolis, Gustavo de Carvalho Fonseca, instaurou inquérito civil para apurar as causas da suspensão do serviço. A investigação está em andamento e o procurador já solicitou a cópia do contrato entre o município e a empreiteira Saneinfra Engenharia, além de informações à Caixa Econômica Federal e ao Ministério das Cidades.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.