terça-feira, 2 de Setembro de 2014 04:43h Jotha Lee

Prefeitura anuncia concurso público em Carmo do Cajuru

Consultor jurídico diz que município não trabalha sob pressão

Uma queda de braço vem sendo travada entre o Sindicato dos Servidores Municipais (Sintram) e a Prefeitura de Carmo do Cajuru para a realização do concurso público. De um lado, o Sintram, cuja base territorial atinge a vizinha cidade, diz que a Prefeitura não está cumprindo os prazos negociados com os servidores. Do outro, a Prefeitura alega algumas dificuldades, mas assegura que tudo está sendo feito de forma transparente, para garantir a legalidade do processo.


De acordo com o vice-presidente do Sintram, Eduardo Parreira, a Prefeitura de Carmo do Cajuru havia se compromissado em publicar o edital de concorrência para a contratação da empresa responsável pela realização do concurso até o último dia 15, porém isso não aconteceu. “A Prefeitura vem protelando isso, trazendo prejuízos e comprometendo a carreira dos servidores”, afirma. “Não temos uma resposta efetiva e estamos aguardando um aceno da Prefeitura de que o processo está em andamento”, acrescenta.


Ontem os servidores da Prefeitura realizaram uma assembleia geral, ocasião em que a questão do concurso foi a principal discussão. De acordo com Eduardo Parreira os trabalhadores querem uma posição imediata do Executivo. “A assembleia tem decisão deliberativa para tirar um indicativo de paralisação, caso a Prefeitura não sinalize para o atendimento das reivindicações da categoria”, finalizou.

 


DIFICULDADES
Há 12 anos não ocorre concurso público na Prefeitura de Carmo do Cajuru. O município confirma que 55% dos servidores municipais são contratados. São 680 servidores em atividades, dos quais apenas 323 são efetivos.


O consultor jurídico da Prefeitura de Carmo do Cajuru, Jarbas Lacerda, diz que o município está trabalhando para a realização do concurso, que preencherá 250 vagas. Ele admite que havia um acordo para a conclusão do processo licitatório de contratação da empresa para a realização dos exames, porém disse que houve dificuldades na escolha do modelo de licitação.


Jarbas Lacerda disse que, inicialmente, era idéia do prefeito José Clarete Pimenta (DEM) realizar licitação através de concorrência pública, porém um levantamento no mercado mostrou que os valores poderiam chegar a R$ 420 mil, o que seria inviável para os cofres municipais.  O consultor afirmou que a modalidade pregão também não se apresentou como a melhor opção. “Há várias empresas no mercado que não cumprem os acordos e poderiam entrar e ganhar o processo, como ocorreu agora em Bom Despacho, onde o concurso foi realizado e suspenso. Essas empresas apresentam um preço baixo, depois desaparecem”, afirmou.


Finalmente, segundo Jarbas Lacerda, a Prefeitura optou pela modalidade tomada de preços. “Ainda essa semana o edital para a contratação da empresa será publicado. Estamos fazendo tudo com muito respeito, olhando no olho dos servidores, com muita transparência”, garantiu.


De acordo com o consultor jurídico há algumas pessoas [sindicalistas] que querem perturbar o processo. “Uns dois ou três querem fazer disso um fato político, mas não trabalhamos sob pressão”, assegurou. “Vamos publicar o edital e entre os dias 10 e 15 deste mês esperamos conhecer a empresa que vai organizar o concurso. Nossa previsão é de realizar as provas no mais tardar em outubro. Ninguém quer realizar esse concurso mais que o prefeito José Clarete”, finalizou. 
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.