quarta-feira, 7 de Novembro de 2012 06:27h Gazeta do Oeste

Prefeitura de BH pode adiar para o ano que vem o envio de projetos à Câmara

 A hostilidade de vereadores da Câmara de Belo Horizonte poderá obrigar a prefeitura a adiar para 2013 o envio à Casa de projetos que o governo pretendia ver aprovados ainda este ano. Mesmo depois da tentativa de um acordo que chegou a ser fechado entre o presidente do Legislativo, Leo Burguês (PSDB), e os parlamentares, nos últimos dois dias faltaram votos para analisar vetos do prefeito Marcio Lacerda (PSB). Isso fez com que seus aliados decidissem sugerir que a votação dos textos seja protelada. Uma reunião nesta quarta-feira com representantes do governo decidirá se a sugestão será acatada.

Entre os projetos que o governo queria aprovar este ano está o que cria duas secretarias: da Copa e Anticorrupção. Os rebeldes já foram identificados pelos aliados do prefeito na Câmara: são integrantes do grupo de vereadores que perderam a reeleição e a maior parte da bancada do PT. Na segunda-feira, dois parlamentares da legenda, Arnaldo Godoy e Tarcísio Caixeta, se atacaram no plenário durante a votação de um dos vetos de Lacerda. Caixeta, ex-líder do governo, defendeu a decisão do prefeito, enquanto Godoy adotou posição contrária. O PT ajudou a eleger o prefeito em 2008, indicando inclusive o vice na chapa, Roberto Carvalho, mas os dois partidos romperam a aliança para a disputa pela prefeitura no mês passado, vencida por Lacerda, o que empurrou os vereadores do PT para a oposição.

Em relação aos vereadores que não se reelegeram, a justificativa dos aliados de Lacerda é que os parlamentares ficaram decepcionados com o prefeito durante a campanha eleitoral. O prefeito teria prometido mais apoio do que realmente deu. O líder do governo na Casa, Ronaldo Gontijo, porém, prefere evitar comentários sobre o mau humor dos vereadores. “É preciso saber o que está acontecendo. Tem muita gente na Casa mas ninguém quer votar”, diz. Ontem, nenhum dos sete vetos do prefeito chegou a ser derrubado ou mantido, apesar da presença de 37 parlamentares na Casa. Um deles, ao ser colocado para apreciação, teve a votação prejudicada por ter recebido apenas 17 “sim” e um “não”. O total para que o veto fosse mantido era de 21. O cenário ideal para a prefeitura é que os vetos, que têm prioridade de votação, sejam analisados para também adiantar a apreciação do orçamento 2013.

Água

O acordo fracassado sugerido por Leo Burguês previa que os vereadores não reeleitos sugerissem três projetos de lei para serem colocados em votação até o fim do ano. Já os parlamentares que venceram as eleições teriam direito a indicar um projeto. Na segunda-feira parecia que o acordo surtiria efeito. De um total de 13 vetos, sete foram analisados. Todos foram mantidos. “A oposição está no papel dela. E o PT, nesse seu novo posicionamento na Casa, mostra o que sempre foi: quem está contra o partido está errado”, disse o tucano, aliado de Lacerda.

No ano que vem, 22 das 41 cadeiras da Câmara serão ocupadas ou por quem nunca esteve na Casa ou por quem já foi vereador mas em legislaturas anteriores. Segundo a vice-presidente municipal do PT, vereadora Neusinha Santos, que não se reelegeu, já está decidido, mesmo com as rusgas entre parlamentares da legenda, que o PT será oposição a Lacerda. “Fizemos uma reunião com a Executiva Municipal e o posicionamento já está sacramentado”, garantiu.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.