terça-feira, 15 de Outubro de 2013 06:40h Carla Mariela

Prefeitura de Carmo do Cajuru encaminha projeto 026/2013 para a câmara

A lei é a de número 026/2013 de autoria do Poder Executivo e está tramitando na casa legislativa. Dois itens que constam no projeto estão causando questionamentos por parte da população e um deles é o repasse de verba para a Vila Vicentina que conforme o

A lei da Prefeitura de Carmo do Cajuru é a de número 026/2013. Após ter sido encaminhada para a câmara da cidade, tem gerado discussões aleatórias referentes a dois itens. Um item está relacionado com a Vila Vicentina e o outro é a maneira que consta no projeto acerca dos benefícios eventuais e auxílios financeiros para pessoas carentes.
O projeto dispõe sobre a autorização da concessão de subvenções, contribuições e auxílios financeiros por meio de lei orçamentária. A lei possibilita que a administração municipal possa conceder subvenções sociais às seguintes entidades: Associação Comunitária do Bairro Nossa Senhora do Carmo R$3.000; Associação Cordeiro de Deus R$10.000; Casa do Menor Dona Hortência Aparecida Ribeiro R$10.000; Guarda Mirim R$8.000; Obras Assistenciais Padre Augusto Cerdeira (Vila Vicentina) R$10.000; Obras Assistenciais São José R$8.000; Paz e Amor Centro de Convivência de Terceira Idade R$4.000. Um total de subvenções: R$53.000. O projeto aborda também sobre outras subvenções.
Quanto a diminuição do repasse da Vila Vicentina, a indagação por parte da população é a seguinte: Caso a lei seja aprovada, conforme informações, diminuirá o repasse em mais de 50%.
Em entrevista o presidente da Vila Vicentina, Sadi Nogueira, ao ser informado sobre o projeto disse não ter conhecimento acerca deste. “Esse projeto provavelmente deve servir para o ano seguinte, porque nesse ano nós já tivemos o orçamento no valor de R$24.000, ainda está faltando R$6.000 para ser depositado. Eu já estive conversando com o prefeito para dobrar a subvenção de R$24.000, porque na realidade estes R$24.000 não representam dois funcionários aqui da Vila Vicentina. O único lugar viável para trazer um idoso que o poder público teria que arcar com as consequências seria a Vila, por isso luto pelo dobramento de repasse”, ressaltou.
Conforme Sadi Nogueira, o funcionário passou a ganhar mais, nesse sentido deveria haver o dobramento e não a diminuição para R$10.000, assim como está especificado no projeto. “Esse é um dever que a prefeitura tem que fazer pela Vila. Eu penso que este repasse deve ser redobrado e não diminuído, porque temos 48 moradores. Queremos dinheiro em caixa para manutenção da instituição. Eu gostaria de agradecer ao povo que ajuda aqui, porque se não fosse pelas pessoas de bom coração que tem nos ajudado esta casa já tinha fechado. Infelizmente o poder público deixa a desejar e nem aqui vem, a maioria nem conhece a instituição. Acho que eles deveriam abraçar mais a causa. Quem quiser contribuir com a Vila Vicentina o telefone é (037) 3244-3848 ou (037) 3244-1717”, desabafou. 
A reportagem entrou em contato com a prefeitura para conversar com o prefeito José Clarete (PR) para mais esclarecimentos sobre o projeto e os dois itens questionados pela população, mas até o fechamento desta edição a assessoria não havia encaminhado à resposta do gestor por e-mail assim como estava combinado.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.