sexta-feira, 28 de Agosto de 2015 10:16h Atualizado em 28 de Agosto de 2015 às 10:17h. Jotha Lee

Prefeitura desmente redução no horário de funcionamento

Vereador pede extinção de secretarias para reduzir os ‘cabides de emprego’

Uma onda de boatos está circulando em Divinópolis nos últimos 20 dias, dando conta de que o Executivo estaria finalizando um estudo para alterar o horário de funcionamento da Prefeitura. Essa modificação seria a redução do horário de funcionamento para atendimento ao cidadão, que passaria a ser em turno único de 12h às 18h. Outra possibilidade seria manter o funcionamento normal de segunda à quinta-feira, fechando todas as seções administrativas às sextas-feiras. Essa medida teria como objetivo economia de manutenção e consumo, especialmente de energia, telefone e água. As especulações ganharam força em função da crise econômica que o município está vivendo há quatro anos e diante das drásticas medidas de contenção de despesas que vêm sendo tomadas desde março.
Ontem a Diretora de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (Sintram), Ivanete Ferreira, admitiu que esse assunto já chegou ao Sindicato. “Por enquanto só temos boato, nada oficial, mas pode até ser um balão de ensaio”, analisou. A Diretoria de Comunicação da Prefeitura desmentiu a possibilidade de redução no horário ou qualquer modificação que tenha como objetivo diminuir a semana de trabalho. Ainda segundo a Prefeitura esse assunto não chegou nem mesmo a ser cogitado, não passando de especulação cuja origem é desconhecida.
Na Câmara Municipal, o vereador Adair Otaviano (PMDB) afirmou em pronunciamento no plenário que a modificação já é praticamente certa e estão avançados os estudos para se encontrar a melhor forma de economia com a modificação do horário de atendimento ao público. O vereador afirmou que tem informações de que as medidas que estão sendo analisadas propõem o turno único de 12h às 16h ou a semana de segunda à quinta-feira.
O Legislativo Municipal adotou o turno único de seis horas em 2011, na gestão do então presidente Paulo César dos Santos, atual secretário municipal de Desenvolvimento Econômico. A medida foi provocada pelas dificuldades financeiras que o Legislativo enfrentou naquele ano e o objetivo era permitir o fechamento das contas daquele ano. A redução deveria ser temporária, porém continua em prática até hoje com a Câmara funcionando para atendimento público de 12h às 18h.

 

SECRETARIAS
Em pronunciamento na sessão de ontem, o vice-presidente da Câmara, Oriosmar Pinheiro, o Careca da Água Mineral (PROS) pediu a redução de secretarias como forma de economizar. Ele lembrou que o governo federal deve acabar com 10 Ministérios. “Sempre critiquei o governo federal pelo excesso de Ministérios e agora há a sinalização de que dos 39 existentes hoje, 10 serão extintos”, lembrou. “Isso deveria ser um bom exemplo para Divinópolis, que se quer economizar, deveria acabar com umas cinco ou seis secretarias”, acrescentou.
O vereador do PROS afirmou ainda que enquanto se gasta muito dinheiro para manter tantas secretarias, várias obras ficam paradas por falta de recursos. Ele citou o caso da Rua Pedestre, que não tem pavimentação e a obra vem sendo prometida há anos. Para o vereador, o excesso de secretarias só traz prejuízos e disse que eles servem somente para dar empregos para alguns apadrinhados.  “Acabando com umas cinco ou seis secretarias com certeza vai acabar também com alguns cabides de emprego. Quem sabe assim sobra um pouco mais de dinheiro para ser investido onde é necessário”, finalizou.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.