sexta-feira, 20 de Maio de 2011 10:14h Atualizado em 20 de Maio de 2011 às 10:24h. Flávia Brand?o

Presidente afirma que irá avaliar pedido de exoneração

Vereador Edson Sousa solicitou exoneração do Diretor de Comunicação Flávio Ramos

O vereador Edson Sousa (sem partido) apoiado pela vereadora Heloísa Cerri (PV), ontem (18), em seu pronunciamento no plenário da Câmara Municipal de Divinópolis, solicitou ao presidente Pastor Paulo César (PRB) a exoneração do cargo de Diretor de Comunicação da Câmara, o qual é ocupado pelo jornalista Flávio Ramos. De acordo com o vereador, o profissional está faltando com profissionalismo e respeito ao Legislativo. Já para o presidente da Mesa Diretora, Pastor Paulo César o pedido será avaliado, mas ressalta que o profissional desempenha “satisfatoriamente e plenamente com eficiência” o seu trabalho no Legislativo.


Questionado a respeito das causas, que levaram a pedir a demissão, Edson Souza não deixou claro quais foram às motivações, ao contrário preferiu falar sobre a importância do crédito na comunicação. “O jornalismo trabalha com comunicação, tem que ter muito equilíbrio na busca da verdade. Tem que ver os dois lados porque a comunicação verdadeira só existe e tem sentido quando tem crédito. Para mim ele não tem competência mais e quem não tem competência não tem crédito”, afirmou.  


O vereador reforçou ainda que Flávio Ramos não tem o perfil para o cargo de Diretor de Comunicação do Legislativo e destacou que essa será uma guerra política administrativa. “Se fosse na iniciativa privada ele já tinha sido demitido, porque no serviço público ele tem revelado, que não tem o perfil para o cargo.  A comunicação da Câmara tem que narrar o fato social em si. Você não pode tratar o parlamento e os partidos como um mero  jogo e brinquedo das coisas”, destacou. Edson ressaltou ainda o alerta que fez ao presidente da Câmara. “Cabe ao presidente, ele é co-responsável daqui para frente porque nós alertamos e outros fatos poderão surgir mais rápido” finalizou.


O jornalista Flávio Ramos explica que as nomeações para cargos da Câmara são exclusivamente e unicamente de competência da Mesa Diretora da Câmara e que ele não tem nada a comentar a respeito do pedido do vereador. “Cabe a quem nomeia fazer o juízo de valor a respeito de cada servidor da casa. Eu não tenho absolutamente nada a comentar a respeito de um assunto, que cabe única exclusivamente a Mesa Diretora”, ressaltou.


Questionado a respeito se havia feito alguma declaração em redes sociais (Twitter), que de certa forma tenha sido contra o parlamentar, Ramos afirmou que o vereador Edson Sousa primeiro tem que explicar os motivos que o levaram a ter o juízo de valor que tem. Em relação às redes sociais, o servidor afirmou que faz uso do Twitter para divulgar no horário de trabalho, notícias relativas ao poder Legislativo e que em nenhum momento colocou a casa em situação constrangedora. “Com relação ao Twitter as minhas manifestações em redes sociais acontecem fora dos horários de trabalho. Dentro do horário de trabalho ainda sim divulgando coisas relativas ao poder Legislativo e não há nenhuma proibição para ninguém dentro do poder, que impeça as manifestações através das redes sociais”, destacou.


  O presidente da Mesa Diretora, Pastor Paulo César, afirmou que o pedido será avaliado se é realmente embasado e necessário e destacou que o servidor tem cumprido satisfatoriamente suas funções “O vereador fez um pedido e a presidência vai analisar se é realmente embasado e se é realmente necessário, que tomemos essa providência. Uma vez que o servidor tem seus direitos, é concursado e tem desenvolvido satisfatoriamente e plenamente com eficiência o seu trabalho”, destacou o presidente da Mesa.


 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.