segunda-feira, 6 de Maio de 2013 08:13h Carla Mariela

Presidente da associação dos Agentes de Trânsito de Divinópolis se pronuncia na Câmara Municipal

Victor Rodrigo ressaltou que algumas infrações por parte de motoristas já estão sendo combatidas, principalmente, pelo Congresso, por meio de penalidades mais severas.

O presidente da associação dos Agentes de Trânsito de Divinópolis, Victor Rodrigo, compareceu ao Poder Legislativo, na última terça-feira (30) para apresentar aos parlamentares como os agentes de trânsito realizam seus trabalhos no sentido de combater as irregularidades feitas pelos condutores. De acordo com Victor Rodrigo, ele foi até o plenário para usar a tribuna livre e falar do dia a dia destes profissionais.


Victor Rodrigo ressaltou que algumas infrações por parte de motoristas já estão sendo combatidas, principalmente, pelo Congresso, por meio de penalidades mais severas. Como prova disso, Victor citou a Lei Seca, uma medida a qual foi tomada para diminuir o alto índice de acidentes. Esta lei proíbe o uso de bebidas alcoólicas. “Algumas infrações já vem sendo combatidas pela esfera federal, uma vez que estão sendo aumentadas as punições, hoje o valor da autuação ao condutor é de quase R$2.000,00, é um fato inédito no Brasil, o Congresso vem trabalhando nisso e os agentes de trânsitos também precisam ter suporte e formas de trabalho para poder aplicar e combater estas situações porque muito maior do que o valor de uma multa é a perda de uma vida, de um inocente, até mesmo do próprio causador da ocorrência”, afirmou.


O presidente da associação destacou também que a ação de fiscalização tem como objetivo coibir e inibir para que as situações de riscos não venham acontecer. Victor disse que Divinópolis hoje é uma cidade com mais de cem mil veículos, uma cidade que em certos horários já tem congestionamentos. Segundo ele, o trabalho precisa ser desenvolvido para melhorar a mobilidade urbana.


Na quarta-feira (24 de abril), a esfera federal citada por Victor Rodrigo, aprovou o projeto de lei 2592/07 que visa punições mais severas para os motoristas que realizam ultrapassagem perigosa e participam de “rachas”. O projeto de lei é de autoria do deputado Beto Albuquerque (PSB/RS). A proposta amplia a pena máxima de dois para três anos de prisão. A pena mínima seria de seis meses, além disso, o projeto traz as penas de reclusão se desse crime resultar lesão corporal grave ou morte. Neste caso, a pena de reclusão será de 05 a 10 anos.


Em entrevista por telefone com a Gazeta do Oeste, o deputado federal Jaime Martins (PR/MG), enfatizou que esta lei prevê que em casos de homicídio culposo, a pena será aumentada de um terço a metade se o motorista que causou o acidente não possuir carteira de habilitação, praticá-lo em faixa de pedestre ou na calçada, deixar de prestar socorro à vítima ou estiver conduzindo veículo de transporte de passageiros.


O presidente da associação dos Agentes de Trânsito finalizou dizendo que a Instituição realiza um trabalho em parceria com o Sintram (Sindicato dos Trabalhadores Municipais), que conforme Victor Rodrigo, é uma esfera maior que observa os trabalhos dos agentes de trânsito e podem representá-los quando for necessário. Portanto, ele disse que a sua ida à Câmara foi para apresentar a associação e falar aos parlamentares como é feito o trabalho de fiscalização dos agentes no município de Divinópolis. 


No término do pronunciamento de Victor Rodrigo, iniciaram-se os discursos dos parlamentares, que parabenizaram a ida do tribuno até a casa legislativa.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.