quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013 04:24h

Presidente da Câmara nomeia comissão para analisar projeto EM 056/2013

A diretora executiva do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Divinópolis (Sintemd), Maria Aparecida, afirmou ontem que se reuniu com o vereador Adair Otaviano (PMDB) e depois com o presidente da câmara, Rodyson Kristnamurti (PSDB) para tratar sobre o projeto EM 056/2013, que dispõe acerca da extinção dos cargos de auxiliar na prefeitura. Após encontro o presidente da câmara nomeou uma comissão para a análise da lei.
Para a diretora do Sintemd, este projeto vem concomitantemente com o plano de carreira, porque o plano já havia extinguido estes cargos, fazendo o enquadramento da nova função pública, das pessoas que trabalham na rede municipal de educação. Ainda segundo, Maria Aparecida, o que se percebe em um dos artigos do projeto é a indicação da terceirização. “A terceirização de cargo pelo que tenho de experiência não tem tido nenhuma vantagem nem para quem trabalha nem para quem é empregador, principalmente, em serviço público. Nós passamos isso hoje na gestão pública do Brasil. Nós pontuamos então a questão da nossa preocupação com a sobrevida da aposentadoria em relação ao fundo de previdência ou Diviprev, já que se encerram aqui os cargos. Propositalmente os cargos que virão não terão vínculo com o Diviprev, então cadê a projeção do Diviprev para este momento? Pontuamos isso no encontro”, ressaltou.
Ainda de acordo com Maria Aparecida a terceirização só é boa para a empresa privada. Ela deixou claro que houve este encontro e que o presidente da câmara colocou a disposição e vai encaminhar o projeto para comissões que realizarão um estudo. “Enquanto a comissão desenvolve os seus trabalhos, vamos fazer junto com o Sintram, algumas assembleias acerca do tema, já foi criada uma petição pública para colher assinaturas para que este projeto não passe. Estamos com essa negociação com a câmara”, abordou.
A servente escolar, Sueli Maria, que estava acompanhando a diretora executiva do Sintemd disse que já vem sofrendo esta extinção desde 2005 com cargas diferenciadas dentro da escola. “Já percebemos que isso não funciona, porque na hora que você mais precisa do funcionário ele está em horário de almoço ou de folga”, destacou.
O presidente,RodysonKristnamurti, informou que existe um problema sério no município que cada vez se agrava mais. Para ele, é notório que já existem algumas cidades no Brasil, nas quais já é feito este tipo de iniciativa e como há uma preocupação do Sintram e do Sintemd, ele nomeou uma comissão para que juntos os vereadores possam achar uma saída para poder tentar melhorar ainda mais o projeto. “A população não tem atendimento devido licenciamento e a estrutura do sistema não oferece a recondução para suprir esta falta do servidor aí fica sem o serviço e a população fica prejudicada. É uma classe de categoria, não é geral, quero deixar bem claro que o prefeito coloca é daqui para frente, não os cargos hoje existentes, que futuramente não faça mais concurso público no sentido de contratar servidores de auxiliar de serviços gerais, mas sim terceirizar uma empresa que preste este tipo de serviço preocupando com o atendimento a população”, disse.
Adair Otaviano também pronunciou sobre o assunto. Para ele, o problema será futuro. “O dia que o servidor estiver inativo, quem bancará o inativo é o ativo, e não vai ter este ativo para bancar o inativo e a previdência vai ter com isso sérios problemas. O projeto em si tem o interesse de extinguir o cargo de auxiliar de serviço”, encerrou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.