segunda-feira, 30 de Julho de 2012 13:28h Gazeta do Oeste

Procurador deve atuar no julgamento do mensalão com braço engessado

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deve apresentar seus argumentos para pedir a condenação dos réus do processo do mensalão com o braço engessado, segundo sua assessoria de imprensa. A ação começa a ser julgada no Supremo Tribunal Federal (STF) na próxima quinta-feira (2).

 


No começo de junho, Gurgel sofreu um acidente doméstico e quebrou o braço. Fez uma cirurgia no fim da primeira quinzena de junho e, como consequência, foi orientado a ficar com o braço imobilizado por dois meses. Nesta quinta (26), Gurgel ainda estava com o gesso. Se seguir as recomendações médicas, ele deve estar com o gesso pelo menos até o meio de agosto, durante a fase da sustentação oral dos advogados de defesa.

 


Gurgel também deixou claro que falará sozinho nas cinco horas que tem à disposição para acusar os réus. Nos corredores do Supremo, circulavam boatos de que o procurador poderia dividir o tempo com a subprocuradora Deborah Duprat.

 


A previsão é de que o procurador fale no primeiro dia do julgamento, logo após a leitura resumida do relatório do ministro Joaquim Barbosa.

 


O ex-procurador Antonio Fernando de Souza denunciou em abril de 2006 40 pessoas pelo esquema do mensalão que, segundo a Procuradoria, consistiu na obtenção de empréstimos fictícios para o pagamento de propina a políticos em troca de apoio ao governo no Congresso.

 


Depois da denúncia, um dos réus morreu – José Janene – e outro fez acordo com o Ministério Público – Sílvio Pereira. Nas alegações finais, Roberto Gurgel pediu a condenação de 36 dos 38 réus. O procurador recomendou a absolvição do ex-ministro Luiz Gushiken e de Antônio Lamas, irmão de um dos acusados.

 

 

 

 

 

G1

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.