quarta-feira, 21 de Março de 2012 11:03h Carla Mariela

Projeto antitabagismo é aprovado na Câmara Municipal

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a principal causa de morte em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta, ou seja, R$1bilhão e 200 milhões de pessoas sejam fumantes. Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam. Foi pensando no índice de fumantes que estão cada vez mais aumentando no Município de Divinópolis, que o projeto antitabagismo criado pelo presidente da Câmara, Anderson Saleme (PR), foi debatido no plenário da cidade e aprovado pelos vereadores em Reunião Ordinária.
A principal ideia do projeto apresentado por Anderson Saleme para os parlamentares na Câmara é fazer com que as escolas do Município de Divinópolis recebam a proposta antitabagismo e a coloquem em prática, para que os jovens não façam o uso do cigarro, do álcool e das drogas. Segundo Saleme, se a implantação do projeto se iniciar no ambiente escolar é provável que o número de pessoas que estão envolvidas com as drogas, diminua.
Ainda de acordo com Saleme, essa proposta era antiga, e já estava sendo debatida. Ele afirma que foi fundamental a aprovação desse projeto para que futuramente, ele possa ter a obtenção de saldos positivos. “A partir de hoje, as políticas antitabagismo, antialcoolismo e antidrogas, serão instituídas nas escolas da cidade, tanto Municipal, quanto Estadual e Particulares. O importante é que nós tratamos o assunto com seriedade, que façamos essa tentativa com as crianças e adolescentes, porque acreditamos que se atacarmos o problema no início, nós teremos uma chance maior de resultado e diminuição desses usuários em Divinópolis.
O tabagismo, o alcoolismo e a dependência química são fatores considerados pela Organização Mundial de Saúde, como uma doença que precisa ter os devidos cuidados. “É assustador como crianças e os jovens estão fazendo o uso dessas substâncias, e com isso, lotam o escritório médico com problemas de saúde que possa futuramente se complicar. Muitos usuários começam a fumar, beber e fazer o uso de drogas por uma questão de modismo, sendo assim a campanha visa interromper e desmistificar essa moda, para que não surjam mais dependentes, e o local mais seguro para que o projeto seja colocado em prática, são as escolas” afirma Saleme.
Contudo, é importante que haja um trabalho de interatividade. Os professores precisam abordar o tema de forma mais clara e realizar um trabalho inserindo os alunos e também os pais, para que ambos interagem entre si e com a escola, para que alcancem em conjunto um saldo positivo diante o assunto, é essa a expectativa do Anderson Saleme.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.