sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015 09:45h Atualizado em 30 de Janeiro de 2015 às 09:47h. Jotha Lee

Projeto de duplicação do anel rodoviário encontra resistência

Concessionária anuncia construção de quatro viadutos e vias suspensas

A duplicação do anel rodoviário, anunciado pela Nascente das Gerais, concessionária que administra a MG-050, pode esbarrar no movimento comunitário que reúne sete bairros, seis deles localizados do lado oposto à rodovia em relação à região central. No final do ano passado, a concessionária apresentou o projeto de duplicação de 10 quilômetros do contorno, prevendo a construção de vias suspensas, passarelas e viadutos ao longo do trecho contemplado. Entretanto, lideranças dos bairros Candelária, Jardim das Oliveiras, Santa Marta, Fonte Boa, Dom Cristiano e Frei Galvão, reforçados pela adesão da Associação de Moradores do Bairro Padre Libério, não concordam com o traçado proposto pelo projeto.
Pouco mais de 40 mil moradores residem nesses bairros e são obrigados a cruzar o anel para acesso à região central. Para veículos, há um único acesso, através da Rua Martinho Amaral, no Santa Marta. Para os pedestres e motociclistas, há a passagem subterrânea construída pela Nascentes das Gerais. Entretanto, para utilizar o subterrâneo, apelidado pelos moradores de “buraco de tatu”, é preciso coragem, mesmo durante o dia. Não há iluminação interna e externa, o local é circundado por árvores de porte médio e ainda há outros tipos de vegetação, que praticamente escondem o acesso, facilitando ações de delinquentes.
Para solucionar o problema de acesso aos bairros, as lideranças comunitárias apresentarão duas opções à Nascentes das Gerais. A primeira será a construção de um viaduto para pedestres e veículos, ligando a Avenida JK ao bairro Santa Marta. Já segunda será um túnel, também para veículos e pedestres, ligando o bairro Padre Libério ao Santa Marta. “Essa é a única forma de dar segurança para os pedestres e garantir acesso aos veículos sem as retenções dos enormes congestionamentos”, garante a presidente da Associação de Moradores do bairro Candelária, Luciana Vidal Santiago.
De acordo com Luciana Santiago, há 15 anos os moradores vêm ouvindo promessas, mas nada se concretizou até agora. “O que queremos é uma travessia digna para pedestres, ciclistas e veículos também”, afirma. Ela critica o projeto de duplicação apresentado pela Nascentes das Gerais. “Não vai melhorar nada para os moradores, ao contrário, vai complicar ainda mais, pois o tráfego vai ficar aglomerado em um único trecho e os engarrafamentos ficarão ainda maiores”, assegura. “Queremos uma passagem que nos dê segurança e agilidade e não abrimos mão disso”, finaliza.

 

O PROJETO
A Nascentes das Gerais garante que o projeto contempla as reivindicações dos moradores do Candelária e demais bairros da região. De acordo com a concessionária, o primeiro trecho das obras, que ainda não têm data para início, está entre os quilômetros 117 e 120, totalizando investimentos de R$ 45 milhões. Já o segundo trecho, do quilômetro 120 ao 123, exatamente onde está o acesso aos bairros que reivindicam a travessia, terá aportes de R$ 17 milhões. O terceiro trecho vai do quilômetro 123 ao km 127, com mais R$ 21 milhões de investimentos.
Segundo a concessionária, entre os quilômetros 117 e 120 será implantada a passagem superior em nova via urbana, para acesso à Avenida Governador Magalhães Pinto e interligação de bairros, além de passagem de pedestres, com a construção de um viaduto no local. Serão implantadas, ainda, quatro rotatórias e alças de retorno para organização do tráfego urbano.
Entre os quilômetros 120 e 123, que já tiveram parte das obras executadas, a intervenção entre o bairro Niterói e a Avenida JK prevê implantação de interseção em dois níveis, para acesso à Avenida JK, retorno operacional e interligação dos bairros Nossa Senhora da Conceição, Bom Pastor, Vila Romana e Padre Libério, com a construção de dois viadutos no local e passagem de pedestre. O acesso aos bairros que reivindicam a travessia está próximo ao quilômetro 121, e a Concessionária assegura que no trecho haverá a construção de dois viadutos.
Do acesso aos bairros Serra Verde e Alvorada até o entroncamento com a BR-494 haverá implantação de interseção em dois níveis para interligação e acesso aos bairros Serra Verde e Alvorada e retorno operacional, além de passagem para pedestre, com a construção de viaduto e passagem de pedestre. Ainda de acordo com o projeto, haverá implantação de interseção em dois níveis no entroncamento com a BR-494 para acesso à Nova Serrana e bairros adjacentes e retorno operacional. Serão construídos dois viadutos no local.

 

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.